MusicasGospelBrasil

Loading...

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

O Profeta - Movido pelo Espírito, o profeta age como mensageiro de Deus


por em 12/09/2009

O Profeta
Zé Geraldo
Composição: Lucio Barbosa

O dia vai chegar
estou me preparando porque antevi
No livro que lhe empresto e você não aceita a verdade ali
Existe tanta gente por ai as tontas sem se definir
Na hora da balança O peso não alcança o que deve atingir

Hei Homem de Deus
Acorda é tempo ainda
Eis que teu tempo finda
Faz uma oração

Hei Homem de Deus
Deixa a incoerência
Em sua conferência
fale de perdão

Quem você não conhece é que vai conferir se você passa ou não
Esqueça o seu padrinho pois lá não tem carta de apresentação
O que vai influir é o bem que você fez ou deixou de fazer
Existe em cada estante um livro importante e você não quer ler

Quem sabe se o juiz não foi alvo de risos quando aqui passou
Sofrendo a indiferença, pagando tributos da classe ou da cor
Quem sabe se você não vai se ver chorando a mais tirana dor
E implorar baixinho aquela mesma ajuda que você negou

A vida é uma escola onde o viver é o livro e o tempo o professor
Onde alguns são sábios porém até hoje ninguém se formou
A única certeza é que o dia do acerto já está pra vir
Prepare a sua alma pois na hora certa você vai ouvir

O som de um instrumento que não se afina ao diapasão
Virá anunciando sem segundo aviso a hora da razão
Estou lhe reparando, estou lhe aconselhando porque quero ir
Você se nega a ler, erroneamente crê que a vida é só aqui


-----------------------------------------------------------------------------

por em 07/03/2010

Na linguagem comum, profeta é aquele que adivinha o futuro. Este conceito, porém, não é correto, porque quem adivinha é adivinho ou adivinha. No sentido bíblico, principalmente, profeta ou profetiza é, antes de tudo, alguém que tem uma profunda experiência de Deus em sua vida. Movido por essa experiência, acaba mudando o seu modo de ver e de pensar, de sentir ou de julgar, de portar-se e de falar. Não fala em nome próprio, mas anuncia a palavra que Deus lhe põe no coração e na boca, uma palavra por vezes nada fácil de ser anunciada.

Movido pelo Espírito, o profeta age como mensageiro de Deus, está afinado com Deus, vê a realidade com os olhos de Deus. Por isso ele anuncia o amor de Deus, sua ternura e misericórdia, e sua paixão pela vida humana.

O profeta, também, denuncia tudo o que vai contra a vontade de Deus: a injustiça, a exploração, o domínio dos fortes sobre os fracos e tudo que ofende o povo a quem Deus quer bem. O profeta sacode as consciências e aponta no meio dos conflitos a força da libertadora de Deus, pois são os profetas e profetizas homens e mulheres cheios de inspiração e vigor pela causa de Deus e do povo.

--------------------------------------------------------------------
Desde a Antiguidade, Deus habita no meio dos louvores
Jesus disse que aquele que oferece sacrifício de louvor
Lhe glorificará, não encobriremos dos nossos filhos
Mostrando à geração futura o que é sacrifício de louvor
Assim como a Sua força e as maravilhas que Ele faz
Por que não lembrar de Paulo e Silas quando adoravam na prisão
E as cadeias se quebraram?
Davi, quando Saul o odiava dedilhando sua harpa?
Miriam, tocava seu tamborim em adoração a Deus?
Povos, línguas e nações entoarão louvores ao Senhor
E toda carne louvará o Seu nome para todo sempre
Quando tudo está bem é fácil cantar
Quando nada falta é fácil adorar
O celeiro está cheio é fácil ficar animado
É muito fácil amar quando a gente é amado
Mas é preciso aprender que nem tudo é bonança
Vem a hora da dor e desesperança
Vem a ingratidão, vem o desamor
Mas até nessas horas adore ao Senhor
Se tudo está difícil adore ao Senhor
Mesmo no sacrifício dai a Ele louvor
Se tudo está difícil adore ao Senhor
Mesmo no sacrifício dai a Ele louvor
Se você for capaz de adorar a prova vai passar
O louvor move os céus e as cadeias também podem quebrar
Mesmo na dor, Jó adorou
Paulo e Silas deram louvor
A terra tremeu, a prisão se abriu, as cadeias se quebraram
Davi cantava, o rei se alegrava
O mal não resiste o louvor
Louve ao Senhor
---------------------------------------------------------------------

domingo, 11 de dezembro de 2011

Na mesa do rei Damares - O Rei prometeu, não se esquecer de mim


por em 02/12/2010

Na Mesa do Rei

Disseram que eu não ia conseguir,
Disseram que os meus sonhos acabaram alí,
Quando os meus pés se quebraram, me zombaram, me
criticaram...
Me mandaram para a terra de lodebá,
Terra que se chamava esquecimento,
E naquele lugar sozinho fiquei, humilhado,
desamparado...
Mas no coração havia uma esperança,
O Rei prometeu, não se esquecer de mim,
Eu sei que esse dia vai chegar e a carruagem do Rei,
Na cidade vou ver entrar, pra me buscar...
Eu vou me assentar, á mesa do Rei!
Eu vou comer, na mesa do Rei!
E todos que me humilharam vão me ver alí,
E vão ter que saber que fui convidado sim...
Eu vou receber as terras que perdi,
E todos os tesouros que meu Pai deixou,
Quando na batalha teve que lutar e a sua vida foi
levada,
É assim quando Deus promete,
O tempo pode passar, mas de você não se esquece!!!
Mas no coração havia uma esperança,
O rei prometeu, não se esquecer de mim,
Eu sei que esse dia vai chegar e a carruagem do Rei,
Na cidade vou ver entrar, pra me buscar...


By: Quezia Borges


---------------------------------------------------------------


Escondido Nele

Que bom que temos um Deus em que podemos nos esconder, estarmos em baixo de suas asas sob a tua proteção. Todos os dias o gigante se levanta para nos destruir, ou melhor dizendo tentar nos destruir, e todos os dias é ele que é destruído. Porque eu tenho, você tem um Deus maior que qualquer gigante, e é Ele quem me dá a vitória, nos dá vitória. Você meu amado não tem que temer mal algum, sabe por quê? Porque você está escondido Nele.
E você é um vencedor um campeão em Nome de Jesus, amém!
Nós nos alegraremos pela tua vitória e, em Nome do nosso Deus hastearemos pendões, satisfaça o Senhor todas as tuas petições.
Agora, sei que o senhor salva o seu ungido, Ele lhe responderá do seu santo céu com a vitoriosa força de sua destra.
Uns confiam em carros, outros, em cavalos, nós, porém, nos gloriaremos em o nome do Senhor, nosso Deus.
Eles se encurvam e caem, nós, porém , nos levantamos e nos mantemos de pé.
Ó senhor, dá vitória o rei, responde-nos, quando clamarmos.
Sl. 20. 5 à 9

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Os Ensinos de Jesus - o maior professor que já viveu

              
Os Ensinos de Jesus

> por :  
http://www.vivos.com.br/310.htm




Jesus foi o maior professor que já viveu. No entanto ele era muito mais que isso. Como Filho de Deus, os seus ensinamentos eram a verdade. Sua missão era instruir aos outros como conhecer a Deus. Sua mensagem principal era que Deus queria nos amar e nos conhecer. Ele ensinava enquanto andava com os seus seguidores. Ele ensinou de um barco, de um monte, de uma casa e do templo. Ele ensinava em sermões, mas ele preferia usar uma história ou uma parábola. Muitas pessoas têm perguntas sobre o que que Jesus falou sobre vários tópicos. O que que ele ensinou sobre Deus? O que ele pensava de si próprio? O que que ele queria dizer quando ele falou do reino? Qual era o significado de sua morte? O que que ele falou do Espírito Santo? Como ele descreveu os seres humanos e suas necessidades? E a igreja cristã? Ele ensinou alguma coisa sobre o fim do mundo? Quais eram as principais características de seus ensinamentos morais? 


1- OS ENSINAMENTOS SOBRE DEUS 

Qualquer um que chega aos ensinamentos de Jesus depois de ter lido o Velho Testamento, percebe de cara que os ensinamentos sobre Deus são paralelos. Jesus ensinou que Deus é o Criador que se preocupa com a sua criação e cuida dela desde as menores criaturas como o pardal (Mateus 10:29). Não a um suporte nos ensinamentos de Jesus para a visão que diz que Deus não se importa com o mundo que ele criou. Jesus nos lembra que ele é um Deus de detalhes - intimamente preocupado com a nossa vida. Um dos títulos mais característicos que Jesus usou para Deus foi Pai. Isso não era novidade, pois essa idéia ocorre no Velho Testamento, aonde Deus é visto como o Pai de seu povo. Esse tipo de paternidade era nacional ao invés de pessoal. No período entre o Velho Testamento e o Novo Testamento, os judeus consideravam Deus tão santo que ele foi removido do contato imediato com os compromissos humanos. Na verdade, eles acreditavam que tinha que haver um mediador entre Deus e o povo. Essa noção exaltada de Deus contradizia a idéia de Deus como um Pai pessoal e amoroso. É por causa disso que os ensinamentos de Jesus quanto à paternidade pessoal é tão única. Há alguma evidência nos ensinamentos judaicos dizendo para orar a Deus como "Nosso Pai". No entanto, o que distingui Jesus de seus contemporâneos é que a paternidade de Deus era o centro de seus ensinamentos. A relação pai e filho é particularmente vívida no evangelho de João, aonde Jesus como o Filho é visto como tendo uma comunhão íntima com o Deus Pai. Isso aparece fortemente na oração de Jesus em João 17 e nas afirmações freqüentes que o Pai tinha mandado o Filho e que o Filho estava cumprindo a vontade do Pai. È esse forte relacionamento entre Deus e Jesus em termos de Pai e Filho que fez Jesus ensinar as pessoas a se aproximarem de Deus da mesma maneira. 

2- ENSINAMENTOS SOBRE Sí PRÓPRIO 

O que Jesus falou de sí próprio é de muita importância, pois foi isso que a igreja primitiva veio a ensinar sobre ele. Jesus usou alguns títulos para se descrever ou os aceitava quando os outros os usavam. 

FILHO DO HOMEM 

O título mais usado é Filho do Homem. Algumas vezes ele relacionava isso diretamente na sua ministração pública, como por exemplo quando ele disse que o Filho do Homem era o Senhor do sábado (Marcos 2:28), ou que o Filho do Homem tinha o poder de perdoar os pecados (2:10). Às vezes os dizeres lidavam com o seu sofrimento, como quando Jesus falou que o Filho do Homem tinha que sofrer várias coisas (8:31; note que Mateus 16:21 usa "ele" ao invés de "Filho do Homem"). Em outros trechos a referência é para uma aparição futura, como quando ele disse ao sumo sacerdote que ele veria o Filho do Homem assentado a destra de Deus vindo sobre as nuvens do céu (Marcos 14:62). O que que Jesus quis dizer com o título, e porque que ele usou? A razão mais provável é porque ele queria evitar o termo Messias, que já carregava muitas implicações políticas. 

MESSIAS 

O termo "Messias" ou "Cristo", não pertencem estritamente aos ensinamentos de Jesus, já que ele mesmo nunca usou. No entanto, ele aceitou esse título quando foi usado por Pedro. Ele também não negou ser o Messias quando respondeu ao sumo sacerdote que perguntou se ele era o Messias. No evangelho de João, André diz a Pedro que havia achado o Messias (João 1:41); a mulher em Samaria também conversa com Jesus e ele revela que ele é o Messias (4:25-26). Havia uma expectativa comum entre os judeus que o libertador viria para derrubar os seus inimigos políticos, os romanos. Havia várias idéias sobre a sua origem (um líder militar ou um guerreiro celestial) e seus métodos. 

FILHO DE DEUS 

O título "Filho de Deus" ocorre principalmente no evangelho de João. Tanto Marcos como João consideravam Jesus assim (compare Marcos 1:1 e João 20:30-31). Há algumas passagens aonde o Messias é ligado ao Filho de Deus e que Jesus não rejeita nenhum dos títulos (compare a Mateus 16:16). Mas nos ensinamentos de Jesus, uma passagem faz ficar muito clara a relação especial que Jesus tinha com Deus como Filho (Mateus 11:27; veja também Lucas 10:22). Muitas passagens parecidas no evangelho de João, no entanto, são mais explicitas. O Filho é inquestionavelmente pré-existente - já vivia antes do tempo começar. Jesus sabe que ele veio do Pai e retornaria ao Pai. Jesus se considerava divino - ele era inteiramente Deus. No entanto, João retrata Jesus mais claramente também na sua natureza terrena - ele também era inteiramente humano. Jesus não explicou em nenhuma parte de seus ensinamentos como que Deus poderia se tornar homem, mas ele assumiu isso como um fato. Como Filho de Deus, ele ensinou com a autoridade de Deus. 

3- ENSINAMENTOS SOBRE O REINO DE DEUS 

Ninguém pode ler os evangelhos sinópticos sem notar que o "reino de Deus" (ou dos céus) aparece freqüentemente. Muitas das parábolas de Jesus são especificamente chamadas de parábolas do reino. O conceito de Jesus sobre o reino era uma idéia básica do evangelho cristão. A idéia principal é o reinado de Deus sobre as pessoas ao invés de um reino físico que pertence a Deus. Em outras palavras, a ênfase está no reinado ativo de Deus como Rei. O reino de Deus consiste do relacionamento entre os membros e o Rei. Também significa que o reino não será expresso em termos institucionais. 

O REINADO PRESENTE 

Em Lucas 17:20-21 fica claro que o reino era um tema de interesse comum, aonde os fariseus perguntaram a Jesus quando viria. Eles estavam esperando que o Messias estabelecesse um derrubamento político dos romanos. Sua resposta, que estava "entre eles", é claramente uma idéia presente. Espíritos imundos também foram exorcizados como evidência que o reinado havia chegado (Mateus 12:28; Lucas 11:20). Além disso, Jesus menciona que o reino havia sido vigorosamente avançado (Mateus 11:12), mas não por métodos revolucionários. Ainda, alguma coisa dinâmica já estava acontecendo. Essa idéia de poder dinâmico é um dos traços mais característicos do reino. Jesus falou em amarrar os homens fortes e armados (Lucas 11:21-22), o que mostra que no seu ministério ele esperava dar uma demonstração poderosa contra as forças das trevas. É evidente que o reino que Jesus proclamava, presente ou futuro, era um reino aonde Deus era supremo. O reino era parte de seu ministério, onde Deus estava trazendo a libertação espiritual para o seu povo. Além disso, os ensinamentos de Jesus sobre o reino é uma parte da mensagem total. Nenhuma parte dessa mensagem pode ser separada de qualquer outra parte sem que o resto seja distorcido. 

O REINO FUTURO 

As parábolas têm os ensinamentos mais claros no aspecto futuro do reino (Mateus 13). Jesus falou do uso futuro da imagem retirada da literatura judaica. Ele relaciona nuvens, glória e anjos com a vinda do Filho do Homem (Marcos 13:26-27). Mateus fala de um som de trombeta, outro traço familiar (Mateus 24:31). Vários traços das parábolas do reino nos dá a mais clara idéia da natureza do reino. A condição de membro do reino não é considerada universal. Os membros do reino são aqueles que escutam e entendem a palavra do reino (Mateus 13:23). Apesar de todas as nossas diferenças raciais, culturais e de gênero só existem dois tipos de pessoas no mundo: as que são salvas e as que não são. Cada pessoa responde individualmente a oferta de salvação oferecida por Jesus para que seja parte do reino. Há uma ênfase na parábola sobre o crescimento da semente de mostarda, aonde um pequeno começo cresce para se tornar uma grande coisa. 

4- OS ENSINAMENTOS SOBRE A SUA PRÓPRIA MORTE 

O anunciamento do reino deve ser ligado à abordagem de Jesus a sua própria morte. Será que Jesus via a sua morte como uma parte chave de sua missão? Alguns acreditam que ele terminou a vida desiludido com algum tipo de desejo de morte. No entanto, sua morte não foi um desvio de sua missão. Isso era inteiramente a sua missão. Jesus sabia que os detalhes de sua vida eram a realização das escrituras (compare a Mateus 26:24; 56; Marcos 9:12; Lucas 18:31; 24:25-27, 44-45). O sofrimento de Jesus é o assunto da profecia do Velho Testamento. Ele conhecia as previsões do Velho Testamento e reconhecia que elas só poderiam se realizar através de seu próprio sofrimento. Evidentemente que Jesus via a sua morte como um sacrifício. Na última ceia, o cálice é ligado ao sangue da nova aliança, que é conhecida como sendo para a "remissão dos pecados" (Mateus 26:26-28). Nenhuma explicação é dada sobre a maneira em que a morte que estava próxima, simbolizada pelo pão partido e pelo vinho servido, traria o perdão dos pecados. Mas a igreja primitiva entendeu que Cristo morreu pelos nossos pecados (compare a 1 Coríntios 15:3). A idéia da nova aliança é paralela a Velha aliança, que de acordo com Êxodo 24, foi selada com o sangue de um sacrifício. Jesus tinha isso em mente quando ele falou da nova aliança. Também era parecido com a idéia expressada em Jeremias 31, que se refere a uma aliança escrita no coração ao invés de numa pedra. Na oração de Jesus em João 17, ao encarar a cruz, ele declara que ele terminou a obra que o Pai deu a ele (17:4). Isso é reforçado quando ele fala, já na cruz "está consumado", que só João menciona (19:30). Esse senso de missão cumprida da um ar de triunfo para o que de outra maneira, poderia ser visto como um desastre. Jesus não foi assassinado. Ele deu a sua vida como um sacrifício pelos nossos pecados. Apesar dos homens terem colocado ele numa cruz superficialmente, o amor dele por todo o povo de Deus é o que o manteu ali até o fim. 

5- OS ENSINAMENTOS SOBRE O ESPíRITO SANTO 

Em vários dos eventos principais na vida de Jesus, os escritores dos evangelhos notam a atividade do Espírito Santo. Por exemplo, o nascimento virgem, o batismo de Jesus e a sua tentação mencionam o Espírito. A maioria dos ensinamentos vem dos evangelhos de João. Quando Jesus começou a pregar o seu ministério em Nazaré, de acordo com Lucas, ele leu o depoimento em Isaías 61:1-2 sobre o Espírito de Deus e aplicou a ele. Ele viu o Espírito marcando o começo de seu ministério. Ele foi acusado de expulsar demônios como Belzebu, príncipe dos demônios. No entanto, ele estava realmente expulsando espíritos imundos pelo Espírito de Deus (Mateus 12:28). Ele era, além disso, sensível a seriedade de blasfemar contra o Espírito, que ele implica que os seus acusadores estavam perigando fazer. Criticar o seu ministério era criticar o mover do Espírito. 
Enquanto avisava os seus discípulos que eles encontrariam com a oposição, Jesus os assegurou que o Espírito os apoiaria quando eles fossem forçados a encontrar com reis e governadores (Mateus 10:19-20; Marcos 13:11). De fato, ele falou que o Espírito continuaria a falar através deles muito tempo depois que Jesus tivesse retornado ao céu. Lucas registra a promessa de Jesus que Deus daria o Espírito Santo para aqueles que pedissem (Lucas 11:13), como um pai dá bons presentes para os seus filhos. Nós geralmente pedimos a Deus por paz, propósito ou proteção. No entanto, Deus considera o Espírito Santo o melhor presente que ele pode dar a seus filhos. Em uma outra ocasião, Jesus reconheceu que Davi havia escrito o Salmo 110 (Marcos 12:36) com a influência do Espírito. Como resultado desse e de outros exemplos, sabemos que a bíblia não é um livro comum escrito por homens. De fato, o Espírito Santo inspirou as escrituras. 

SALVAÇÃO 

O evangelho de João nos dá um desenvolvimento mais detalhado de o que Jesus ensinou sobre o Espírito. Os ensinamentos do Espírito são geralmente ligados aos ensinamentos de Jesus sobre dar a vida eterna a aqueles que acreditassem nele e o recebessem. Quando ele falou com Nicodemos sobre o novo nascimento e a vida eterna, Jesus também falou do Espírito (João 3:3-8, 15-16). Quando ele falou da água da vida para a mulher samaritana, ele também falou do Espírito (4:14, 23-24). Por toda a escritura, Jesus declara a várias pessoas que ele poderia lhes dar a vida eterna se eles acreditassem nele. Ele prometeu a água da vida, o pão da vida e a luz da vida, mas eles só receberiam a vida eterna quando viesse o Espírito depois de sua ressurreição. Jesus disse "É o Espírito que dá a vida eterna" (João 6:63). Quando o Espírito se tornasse disponível, eles poderiam ter vida. Uma vez que Jesus havia sido glorificado através de sua ressurreição, o Espírito de Jesus glorificado estaria disponível a todos aqueles que cressem. 

A SEGUNDA VINDA 

Ele falou para os discípulos que o Filho do Homem viria com os seus anjos na glória de seu Pai (Mateus 16:27). Ele descreve o Filho do Homem vindo em nuvens com poder e glória (Marcos 13:26). Jesus descreve vários sinais que precederia a sua segunda vinda. Ele falou de guerras, conflitos, terremotos, fome e distúrbios nos céus. O evangelho seria primeiramente pregado a todas as nações. Ao mesmo tempo falsos "Cristos" surgiriam. Jesus deu vários detalhes de seu retorno para encorajar os seus discípulos a encararem a perseguição. Os discípulos teriam que vigiar, pois a vinda aconteceria inesperadamente como um ladrão na noite. Jesus disse que nem ele mesmo sabia quando isso aconteceria (Marcos 13:32). 

RESSURREIÇÃO 

Um outro tema importante afetando o futuro é enfatizado nos ensinamentos de Cristo sobre a ressurreição. Os saduceus não acreditavam na ressurreição do corpo. Eles tentaram enganar Jesus com uma pergunta sobre uma mulher que havia se casado sete vezes. Eles queriam saber esposa de qual dos sete maridos ela seria depois da ressurreição (Marcos 12:18-27). Jesus apontou que não haveria casamento quando os mortos ressurgissem. A idéia dos saduceus sobre a ressurreição estava claramente errada. Os ensinamentos de Jesus seriam como os anjos. Não há dúvida sobre a ressurreição dos mortos, apesar de não nos ser dada informações específicas sobre o corpo resurreto. 




JULGAMENTO 

Jesus contou uma história sobre um homem rico e um homem pobre que morreram (Lucas 16:19-31). Na vida após a morte, o homem rico gritava no tormento, enquanto o homem pobre curtia o estado de benção. A distinção entre os dois homens nos dá uma dica do julgamento, apesar de não nos ser falado como essa distinção é feita. Em outros lugares de seus ensinamentos, Jesus disse que o requisito vital é a fé. A conversa entre Jesus e o ladrão que estava morrendo na cruz ao seu lado, sugere que o ladrão arrependido foi salvo (Lucas 23:42-43). O tema de recompensa e punição é visto em muitas passagens. Em Mateus 16:27, Jesus diz que o Filho do Homem recompensará todos de acordo com o que ele(a) fez. Aqueles que são inúteis serão punidos nas trevas (25:30). Mais adiante, Jesus fala de um dia de julgamento, no qual homens e mulheres prestarão contas até mesmo de suas palavras descuidadas (12:36-37). Entre todas as afirmações solenes de Jesus estão aquelas aonde ele fala do inferno. Seus ensinamentos sobre punição eterna para injustos (Mateus 25:41,46) são o oposto para a vida eterna prometida para os justos. Ele disse que seus discípulos teriam um lugar preparado para eles no céu (João 14:2), e ele também falou de um Livro da Vida aonde o nome de todos aqueles que crêem está escrito (Lucas 10:20).

Fonte: iLúmina


domingo, 27 de novembro de 2011

Jesus Vem! Você Está Preparado? - Paulo Junior

“...Certamente cedo Venho. Amém. Ora vem, Senhor Jesus.” - Apo. 22:20

Amados irmãos vejam essa pregação e parem para rever o que estão fazendo com as suas vidas?tudo é normal?tá tudo bem?óh Deus abri os ouvidos e toca os corações do teu povo, para que sintam o Espirito Santo tocando em suas vidas,E, por se multiplicar a iniqüidade(o pecado), o amor de muitos esfriará." [Mateus 24:9-12].Se ninguém quer ler a bíblia, você irá ler a bíblia,se ninguém quiser orar,você irá orar,pague o preço,ande pelo caminho estreito,poucos iram passar por ele,vida de renuncia requer "sacrifícios",mais lá na frente valerá a pena!Jesus está as portas,Contudo Quando Vier o Filho do Homem, Porventura Achará Fé na Terra? Lucas 18:8.Arrependei-vos, porque é chegado o Reino dos céus Mt 3.2.
Duro é esse discurso, duro é esse discurso...Quém poderá ouvi-lo? por favor pregador; minha geração ama os aplausos,por favor pregador, não diga isso, minha geração ama o entretenimento... as bajulações, as promoções, festas e banquetes...nós não suportamos isso, nós não suportamos...porque, assim, nos ensinaram, e é assim, que aprendemos...somente viver pra essa vida.

- kitasmack .Respondeu-lhe, pois, Simão Pedro: Senhor, para quem iremos nós? Tu tens as palavras da vida eterna.
João 6:68 26

por em 25/11/2011

Baixar esse video: Em Breve
Baixar esse video em alta qualidade: Em Breve
Baixar em MP3: Em Breve

Ministério Online Defesa do Evangelho
WebSite: http://www.defesadoevangelho.com
Este ministério online tem por objetivo divulgar o Evangelho de Jesus Cristo. Como também defender as sãs doutrinas de Cristo. Que você seja edificado através deste ministério e que ele seja para a glória de Deus. Essa é a nossa oração. Defesa do Evangelho.

Por um instante, ponha de lado todas as doutrinas quanto à volta de Cristo. Atente para esse clamor do homem ou mulher que amam o Seu aparecimento: "Então, veremos face a face. O contemplaremos" (ver I Coríntios 13:12). A volta de Jesus não deve lhe perturbar. Ela deveria lhe entusiasmar. Se você realmente ama uma pessoa, então quer ficar perto dela. Dá para você imaginar como é Jesus chamando o seu nome?Imagine um casal recém casado, e o marido sendo convocado para se ausentar por um período longo, seja a negócios ou para o exército. Ele diz à noiva, "Eu voltarei, mas não sei quando. Eis o endereço onde você poderá me achar".Durante os primeiros anos, a noiva escreve sempre ao marido, lindas cartas de amor. Mas nunca diz, "Por favor - volte logo!". Dez anos se passam, depois vinte, e cada vez ela lhe escreve menos e menos. Ainda assim, nunca diz, "Volte rápido, eu te suplico. Preciso do teu abraço, preciso ver o teu rosto. Estou orando para que você volte logo".Esse é um retrato da igreja hoje. Como podemos dizer a Cristo que O amamos e temos saudades, se nunca oramos para que volte para nós? Como pode acontecer de nunca expressarmos que Ele deve voltar depressa e nos levar consigo, e assim estarmos em Sua companhia constante? Como pode acontecer de não dizermos, "Não dá mais para resolver sem que estejas aqui. Não quero ficar longe de Ti" ?
Em meio ao nosso tempo, ouço Jesus dizendo, "Certamente, venho sem demora" (Apocalipse 22:20). E ouço a noiva de Cristo respondendo, "Vem, Senhor Jesus!" (22:20).
-David Wilkerson
O avivamento tarda porque não temos mais intensidade e fervor na oração. Há algum tempo, um famoso pregador, ao iniciar uma série de conferências, fez a seguinte declaração: “Vim para esta série de conferências com grande desejo de orar. Agora peço àqueles que gostariam de carregar junto comigo esse peso que ergam uma das mãos, e que ninguém seja hipócrita”.Um bom número de pessoas levantou a mão. Mas, lá pelo meio da semana, quando alguns resolveram promover uma vigília, o grande pregador foi dormir. Que hipocrisia! Já não existe mais integridade. Tudo é superficial. O fator que mais retarda a vinda de um avivamento do Espírito Santo é essa ausência de angústia de alma. Em vez de buscarmos a propagação do reino de Deus, estamos fazendo mais propaganda. Que loucura! Quando Tiago (5.17) diz que Elias “orou”, estava acrescentando um valioso adendo à biografia dele registrada no Velho Testamento. Sem essa observação, ao lermos ali: “Elias profetizou”, concluiríamos que a oração não fez parte da vida dele.Em nossas orações ainda não resistimos até o sangue; não mesmo. Como diz Lutero, “nem ao menos fizemos suar nossa alma”. Oramos com uma atitude tipo “o que vier está bom”. Deixamos tudo ao acaso. Nossas orações não nos custam nada. Nem mesmo demonstramos forte desejo de orar. Fica tudo na dependência de nossa disposição, e por isso oramos de forma intermitente e espasmódicaA única força diante da qual Deus se rende é a oração. Escrevemos muito sobre o poder da oração, mas ao orar não temos aquele espírito de luta. Nós fazemos tudo: exibimos nossos dons espirituais ou naturais; expomos nossas opiniões, políticas ou religiosas; pregamos sermões ou escrevemos livros para corrigir desvios doutrinários. Mas quem quer orar e atacar as fortalezas do inferno? Quem irá resistir ao diabo? Quem quer privar-se de alimento, descanso e lazer, para que os infernos o vejam lutando, envergonhando os demônios, libertando os cativos, esvaziando o inferno, e sofrendo as dores de parto para deixar atrás de si uma fileira de pessoas lavadas pelo sangue de Cristo?-Leonard Ravenhill"Porque Tarda o pleno Avivamento"...
Em último lugar, o avivamento tarda porque roubamos a glória que pertence a Deus. Reflitamos um pouco sobre essas palavras de Jesus: “Eu não aceito glória que vem dos homens”. “Como podeis crer, vós os que aceitais glória uns dos outros, e contudo não procurais a glória que vem do Deus único?” (Jo 5.41,44.) Chega de toda essa autopromoção nos púlpitos. Chega de tanto exaltar “meu programa de rádio”, “minha igreja”, “meus livros”. Ah, que repulsiva demonstração carnal vemos nos púlpitos: “Hoje, temos o grande privilégio...” E os pregadores aceitam isso; não, eles já o esperam. (E se esquecem de que só estão ali pela graça de Deus.) E a vaidade é que, quando ouvimos tais homens pregar, notamos que nunca ficaríamos sabendo que eram tão importantes, se não tivessem sido apresentados como tal.Coitado de Deus! Ele não está recebendo muita glória! Então, por que ele ainda não cumpriu sua terrível mas bendita ameaça de que iria vomitar-nos de sua boca? Nós fracassamos; estamos impuros. Apreciamos os louvores dos homens. Buscamos nossos próprios interesses. Ó Deus, liberta-nos dessa existência egoística, egocêntrica! Dá-nos a bênção do quebrantamento! O juízo deve começar por nós, pelos pregadores!
-Leonard Ravenhill"Porque Tarda o pleno Avivamento"
“Deus pode usar um vaso pequeno, mas não pode usar um vaso sujo”.
-Robert Coleman
“Todo pregador que não faz da oração um importante fator em sua vida e ministério, é fraco como fator na obra de Deus e impotente para projetar a causa de Deus neste mundo”.
-E.M. Bounds

------------------------------------------------------------------------------------------------------


----Perseverança - JOÃO E MÁRIO

João e Mário eram irmãos gêmeos. Quando sua mãe morreu, eles ficaram sob os "cuidados" do pai. Acabaram fugindo de casa e se perderam um do outro. Nunca mais se viram.

João transformou-se num importante e bem sucedido empresário, professor universitário, palestrante e, acima de tudo, pai devotado e esposo exemplar.

Mário, quase sempre desempregado, vivia nos bares da vida, bebendo e arranjando briga, sobrevivendo de favor alheio, pois, devido ao seu estado, sua última companheira também o deixou.

Numa sexta-feira à noite, após terminar uma de suas palestras sobre a importância da força de vontade na busca perseverante das realizações pessoais, um aluno perguntou a João, no saguão do auditório:
- O senhor sempre teve esta extraordinária força de vontade?

Nesta mesma sexta-feira, à mesma hora, num outro ponto qualquer do país, Mário estava sentado num meio-fio, bêbado, chorando e tentando pensar no que havia se tornado a sua vida. Seu único amigo vem buscá-lo para levá-lo para casa e lhe pergunta:
- Diga-me, meu amigo, você nunca teve força de vontade? Nunca desejou ser um vencedor?

As respostas dos dois começaram iguais:
- Meu pai foi um péssimo exemplo. Ele bebia, batia em mim, no meu irmão e em minha mãe. Não parava em emprego nenhum. Tínhamos uma vida miserável. Quando minha mãe morreu, fugimos de casa. Eu e meu irmão gêmeo nos perdemos e nunca mais nos vimos. Nossa família literalmente se acabou.

Mas, terminaram completamente diferentes.

Mário, o derrotado, complementa, melancólicamente:
- Todo este sofrimento acabou comigo. Acabou com a minha força de vontade.

João, afirmou, confiante:
- Todo este sofrimento me fortaleceu. Deu-me ainda mais força de vontade.

Feliz o homem que suporta a provação; porque, depois de aprovado, receberá a coroa da vida, que o Senhor prometeu aos que o amam.
I Pedro 4.12


---------------------------------------------------------------------------

Deus não colocaria à toa as pessoas em sua vida

Ajude as pessoas a acreditarem em si mesmas. Comece a observar como tem pessoas por aí com baixa auto estima, precisando de uma ajuda sua.

Use mais os seus talentos, os seus dons para auxiliar essas pessoas que tanto precisam do seu sorriso, do seu carinho, do seu apoio, da sua fé e da sua esperança. Faça com que elas passem a considerar toda capacidade poderosa que carregam.

Pois quando alguém acredita em si mesmo consegue realizar o que antes considerava impossível. E todo aquele que não tem a consciência do porque está agindo com desamor, acaba sentindo o sofrimento que se expressa em forma de tristeza, vazio, agressividade, depressão...

Quando a auto-estima está baixa a pessoa se sente infeliz, com dúvidas, até inadequada e insegura. E o que é pior: acaba se sentindo incapaz de ter alguém que a ame!

Dê o melhor de si para a quem mais necessita. Faça com que a pessoa confie mais em si ouvindo a sua intuição, acreditando mais na sua voz interior, reconhecendo seu valor, expressando seus sentimentos sem medo..... As pessoas precisam se sentir competentes, capazes, amadas!

Torne alguém feliz neste dia doando-se, falando, ouvindo, abraçando, sorrindo. Todos nós estamos à procura do amor, da valorização, do reconhecimento, viu?

Valide uma pessoa que esteja a seu lado! Valorize o ser humano que habita dentro dela! Por dois motivos: 1º. porque sempre fica um pouco de perfume nas mãos de quem oferece flores, e 2º. porque Deus não colocaria à toa as pessoas em sua vida. Para cada uma delas Ele tem um propósito. Seja esperto e descubra.


--------------------------------------------------------

Para onde me irei do teu espírito, ou para onde fugirei da tua face?
Os teus olhos viram o meu corpo ainda informe; e no teu livro todas estas coisas foram escritas; as quais em continuação foram formadas, quando nem ainda uma delas havia. E quão preciosos me são, ó Deus, os teus pensamentos! Quão grandes são as somas deles! Se as contasse, seriam em maior número do que a areia; quando acordo ainda estou contigo. Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração; prova-me, e conhece os meus pensamentos. E vê se há em mim algum caminho mau, e guia-me pelo caminho eterno.

--------------------------------------------------------------------------------------------------

RETORNE
AO SEU CENTRO, ONDE DEUS ESPERA POR VOCE....

Jesus cristo deichou bem claro qual é a vontade de Deus: "Porquanto a vontade daquele que me enviou é esta: Que todo aquele que vê o Filho, e crê nele, tenha a vida eterna; e eu o ressuscitarei no último dia"
( Jo 6:40 ). A vontade de Deus é especifica, e foi bem definida por
Jesus: qualquer que contemplar o Cristo e nele ter fé, terá a vida
eterna. E não somente isto, no último dia será ressuscitado dentre os
mortos pelo Filho.

------------------------------------------------------------
"As Nações da Terra tremem, ante a grandeza do Todo Poderoso Deus. Mas quando eu estou diante da Tua presença, sinto o Amor, que flui

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Mude Esse Semblante_ Danielle Cristina 2009 (Cd Fidelidade)


por em 22/03/2011

Faixa 13 Do CD " Fidelidade " Música " Mude Esse Semblante "
eu vou orar pra Deus trazer o sol de volta pra você

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------



VOCÊ ANDA EM COMUNHÃO COM DEUS?

Se dissermos que temos comunhão com ele e andarmos em trevas, mentimos e não praticamos a verdade.


1 João 1.6


O que conta diante do Senhor é o modo como andamos e o que se passa em nosso coração. Há pessoas as quais confessam que estão na presença do Altíssimo, mas, apesar de passarem o tempo todo citando a Palavra de Deus, em seu interior, têm caminhado com o inimigo.


É bom verificar o que tem ocupado sua mente, bem como o seu coração, pois, se permitir que maus pensamentos o dominem, você não ficará bem. De fato, o que há em seu interior é o que importa.


Existe um grupo de demônios que trabalha na vida de muitos servos de Deus, convencendo-os de que não há problema em abrigar na mente ou no coração certas práticas proibidas pelo Senhor. No entanto, quem acredita neles perde a comunhão com o Altíssimo e, mais cedo ou mais tarde, torna-se habitação desses espíritos malignos.


Na verdade, quando temos comunhão com o Pai, nossos pensamentos e desejos mais íntimos são sempre puros. Quando, porém, permitimos que coisas imundas ocupem o nosso ser, Ele tem de nos deixar a sós, pois não convive com o pecado.


Ser tentado não significa cair na tentação. No entanto, ao se deixar levar por ela, o homem não só cai, mas também se torna moradia das forças das trevas.


Não basta afirmar que você é de Deus; é necessário provar isso. Não interessa o que você diz, mas, sim, aquilo que o Senhor fala a seu respeito. Se algo errado tem ocupado seu coração, você já caiu em transgressão. Nesse caso, arrependa-se o mais depressa possível e não dê mais guarida a práticas imundas e perigosas. Veja bem, a santidade – a justiça do Reino de Deus – deve ser buscada em primeiro lugar (Mt 6.33).


Verifique, agora, se há imundícias ocupando sua mente. Em que você tem colocado os olhos? Quando você se deita, o que se passa em seu coração? Se forem pensamentos pecaminosos, tome cuidado, pois o Espírito Santo não contenderá para sempre com o homem (Gn 6.3).


Obrigatoriamente, nosso testemunho tem de ser verdadeiro. Entretanto, quando deixamos que o erro ocupe nossa mente ou passamos a levar em consideração determinadas atitudes, as quais nos levam ao pecado, andamos em trevas e, então, o pior acontece, pois começamos a mentir. De fato, ao deixarmos o erro invadir alguma parte de nosso ser, mentimos contra a declaração do Senhor de que somos a nação santa de propriedade particular dEle (1 Pe 2.9). Por isso, não mais praticamos a verdade.


Aqui está o perigo: deixar de praticar a Verdade. O inimigo, sabendo que estamos sem condições de lhe resistir, traz seus males e os lança sobre nós. Então, mesmo conhecendo o que as Escrituras dizem ser nosso direito, ficamos impotentes para não cedermos aos ataques do Inferno, pois, assim, é tirada a coroa de nossa cabeça (Lm 5.16). Que horror, não é mesmo?


Que o irmão sempre tenha comunhão com Deus e pratique a verdade é a minha oração.


Em Cristo, com amor,


POR : ★`·.♥.·´Sandra Mara★`·.♥.·´