MusicasGospelBrasil

Loading...

sábado, 30 de maio de 2015

Tempos Terríveis (2 Timóteo 3.1-9)

O que fazer com os embaraços dessa vida?
“Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo.” II Cor 5:17 
           Saiba disto: nos últimos dias sobrevirão tempos terríveis. Os homens serão egoístas, avarentos, presunçosos, arrogantes, blasfemos, desobedientes aos pais, ingratos, ímpios, sem amor pela família, irreconciliáveis, caluniadores, sem domínio próprio, cruéis, inimigos do bem, traidores, precipitados, soberbos, mais amantes dos prazeres do que amigos de Deus, tendo aparência de piedade, mas negando o seu poder. Afaste-se desses também.
São esses os que se introduzem pelas casas e conquistam mulheres instáveis sobrecarregadas de pecados, as quais se deixam levar por toda espécie de desejos. Elas estão sempre aprendendo, e jamais conseguem chegar ao conhecimento da verdade. Como Janes e Jambres se opuseram a Moisés, esses também resistem à verdade. A mente deles é depravada; são reprovados na fé. Não irão longe, porém; como no caso daqueles, a sua insensatez se tornará evidente a todos. (2 Timóteo 3.1-9)
O traço fundamental desses não cristãos, quer estejamos falando sobre a doutrina ou caráter deles, é que eles são “amantes de si mesmos” “amantes dos prazeres”, e não “amantes de Deus” (NIV). Isso é similar ao que queremos dizer quando afirmamos que a doutrina e ética cristã são centradas em Deus, enquanto a doutrina e ética não cristã são centradas no homem. Chamamos uma de pensamento teocêntrico, e a outra de pensamento antropocêntrico.
O pensamento antropocêntrico coloca o homem no centro de uma cosmovisão, e apresenta certas suposições sobre o homem que são consideradas essenciais e inegociáveis. Essas suposições são consideradas essenciais e inegociáveis não porque sejam racionalmente necessárias, mas porque são desejáveis e consistentes com as inclinações ímpias dos não regenerados. Elas são racionalmente arbitrárias e injustificadas. Uma vez que essas suposições estão presentes, todas as outras coisas são categorizadas, priorizadas e interpretadas relacionando-as com essa preocupação central, o homem, de uma maneira que seja consistente com e controlada por essas suposições essenciais e inegociáveis.
Por exemplo, se é considerado importante o homem possuir livre-arbítrio, então essa é uma suposição básica pela qual até mesmo a natureza e a ação de Deus são interpretadas. Os cristãos são frequentemente incapazes de romper com o pensamento centrado no homem, de forma que eles introduzem preocupações antropocêntricas em suas construções teológicas. Dessa forma, temos heresias como o arminianismo e o teísmo aberto. Um exemplo mais sutil seria uma doutrina enganosa como o compatibilismo. Uma teologia centrada em Deus atribuiria todo poder, toda causa e toda liberdade a Deus, e negar que o homem tenha livre-arbítrio. O fundamento da responsabilidade moral descansaria unicamente na soberania de Deus, e não em alguma liberdade ou escolha no homem.
A natureza do centro, ou fundamento, de uma cosmovisão determina o restante do sistema de pensamento da pessoa. Por exemplo, um sistema centrado no homem pode assumir a confiabilidade da sensação humana em vez da confiabilidade da revelação humana, e procedendo disso, o sistema pode também depender do método falacioso de experimentação científica. Os cristãos que permanecem cativos ao pensamento centrado no homem até mesmo tornam a confiabilidade da sensação uma pré-condição para qualquer confiabilidade na revelação divina. Isso coloca o próprio homem como o centro de todo conhecimento. Há uma escola de pensamento que faz isso, mas ao mesmo tempo é famosa por alegar que Deus é a pressuposição ou precondição de todo conhecimento! Como Paulo escreve, os “impostores irão de mal a pior, enganando e sendo enganados”. Ela é centrada em Deus na aparência, pelo menos para aqeules que são enganados por suas alegações, mas na realidade é centrada no homem.
Então, quando diz respeito à ética centrada no homem, certo e errado não são definidos por mandamentos divinos, mas pela relação de uma determinada ação com as suposições básicas sobre o homem. Assim, porque a dignidade e bem-estar do homem é primordial, uma ação poderia ser considerada moralmente aceitável simplesmente porque, na opinião dos pensamentos antropocêntricos, não prejudica o bem-estar de nenhum homem. É completamente irrelevante se a ação é consistente com o mandamento de Deus ou se o honra. Dessa forma, por exemplo, alguns não cristãos argumentam que a homossexualidade é moralmente aceitável porque não inflige nenhum dano a outras pessoas. Mas por que esse é o padrão de julgamento moral? E como dano é definido? Pode ser argumentado que a homossexualidade é danosa em algum sentido mesmo quando avaliada por um padrão antropocêntrico.
Um exemplo de transigência cristã na área de ética é o absolutismo ideal. Nesse sistema predominante de ética, primeiro, os mandamentos de Deus são priorizados, frequentemente não de acordo com a revelação mas de acordo com a opinião do homem. Segundo, muitas situações são ditas apresentar dilemas, de acordo com o julgamento do homem, nos quais dois mandamentos divinos (ou pelos dois) parecem se aplicar, mas uma pessoa deve violar um deles para obecer o restante. Terceiro, o mandamento que é considerado ser o superior é obedecido, e o outro é quebrado, enquanto a violação deste, sem fundamento bíblico para assim o dizer, não é considerado como pecado. O absolutismo ideal é na realidade um relativismo disfarçado.
A rebelião é bem explícita, mas a blasfêmia está implícita. Isto é, quando Deus deu os mandamentos, ele não teve a inteligência ou a perspicácia para perceber que eles gerariam dilemas éticos em muitas situações, nas quais seria impossível obedecer todos os mandamentos relevantes. Mas parece que o homem detecta esses dilemas com maior facilidade. Podemos não ser capazes de matar Desu, mas podemos pelo menos enganá-lo. Assim, priorizamos os seus mandamentos, algumas vezes de acordo com a sua revelação, algumas vezes de acordo com o nosso próprio julgamento, e decidimos obedecer somente aqueles que consideramos viáveis em qualquer situação.
Pode ele esperar mais de nós? O quê? Obediência total a todo mandamento em cada situação? Deus realmente pensa que ele é Deus? E se alguém bate à porta e exige saber a localização de um amigo para que possa assassiná-lo? Esse é o caso de teste clássico. Não é mais importante proteger a vida de um homem do que dizer a verdade, embora a verdade seja o princípio pelo qual Deus age, por meio da qual ele estabelece o valor da vida, e pela qual ele nos testifica o evangelho da graça? Mas não existe nenhuma forma de obedecer os dois mandamentos, existe? O que você diria? Tentaríamos subjugar o agressor, ou recusaríamos revelar a informação e sofrer o risco da tortura, ou mesmo sacrificar a nossa própria vida para salvar o amigo? Você deve estar brincando. Nós lhe demos apenas duas opções entre as quais escolher. O pensamento centrado no homem não pode processar a coragem abnegada e o sacrifício. Pare de nos confundir.
Considere o que isso significa para Jesus Cristo. A Escritura diz que ele foi tentado, mas nunca pecou. O que isso significaria de acordo com os proponentes do absolutismo ideal? Eles dizem que os mandamentos divinos frequentemente se contradizem devido às circunstâncias nas quais eles se aplicam, e quando se contradizem, a coisa certa a fazer é obedecer o mandamento superior, enquanto desobedecer ao mandamento menor não é contado como pecado. Isso significa que, na visão deles, Jesus poderia ter matado milhares de pessoas com as suas próprias mãos – homens, mulheres e crianças – mas enquanto estivesse obedecendo um mandamento superior em cada caso, ele nunca teria pecado ou assassinado ninguém. Ou, ele poderia ter cometido fornicação, até mesmo atos homossexuais, centenas de milhares de vezes. Ele poderia ter estrupado milhares de mulheres e crianças. Ele poderia ter roubado centenas de milhares de vezes, e mentido centenas de milhares de vezes. Se ele foi compelido a fazer isso em cada caso para obedecer a um mandamento superior, então ele não pecou.
Pelo menos por implicação, essa é a ideia deles da impecabilidade de Cristo. Se eles não abandonam o absolutismo ideal após esse ter sido clara e repetidamente explicado para eles, então eles deveriam ser julgados perante a igreja e excomungados. Pessoas que sabem que sua doutrina implica essa blasfêmia sobre Cristo e ainda insistem nela não podem ser consideradas cristãs. E todos aqueles que os poupam compartilham de seu pecado. A única visão correta é reconhecer que os mandamentos de Deus nunca contradizem um ao outro, e que é sempre logicamente possível obedecer todos eles.
À luz do material acima sobre pensamento antropocêntrico, o pensamento teocêntrico precisa somente de uma breve explicação. Em vez de colocar o homem, e o que é considerado sua capacidade inerente de descobrir informação, no centro de um sistema de pensamento, este pensamento coloca Deus e sua revelação no centro do sistema. As suposições básicas dizem respeito aos atributos de Deus – que ele é criador, sustentador, governador, e eterno, onipresente, onisciente, onipotente, santo, justo, misericordioso e assim por diante – e os atributos da Escritura – que ela é inspirada, verdadeira, completa, racional, consistente, autoritativa e assim por diante. Essas suposições são essenciais e inegociáveis. E uma vez que estão presentes, todas as outras coisas são categorizadas, priorizadas e interpretadas relacionando-as com essa preocupação central, Deus, de uma maneira consistente com e controlada por essas suposições essenciais e inegociáveis.
Assim, o restante do sistema é também muito diferente de uma cosmovisão centrada no homem. Quando diz respeito a doutrinas, a majestade e soberania de Deus são determinativas, e não a dignidade e liberdade do homem. Quer estejamos falando sobre metafísica ou soteriologia, as conclusões corretas concordarão com esse princípio. E quando diz respeito à ética, a preocupação central não é o conforto e bem-estar do homem, mas a honra de Deus. Os mandamentos de Deus definem o certo e errado, e todos os seus mandamentos devem ser obedecidos em toda situação. Não existe situação na qual as circunstâncias requeiram que uma pessoa desobedeça a um mandamento divino. Talvez ele desobedecerá por causa de defeitos em sua inteligência e caráter, mas nenhuma situação torna uma impossibilidade lógica prestar obediência completa a todos os mandamentos divinos.
É evidente que essas duas formas de pensamento e esses dois tipos de sistemas não são apenas radicalmente diferentes, mas mesmo nos princípios básicos estão em conflito. Os dois sistemas nunca podem concordar verdadeiramente em algo. Uma pessoa não pode reter o mesmo fundamento e modificar somente os detalhes. Por essa razão, para um não cristão concordar com Deus, ele deve abandonar seus princípios antropocênticos e abraçar princípios teocêntricos. Portanto, uma pessoa que chega à fé em Jesus Cristo não adiciona simplesmente um pedaço de informação à sua atual filosofia antropocêntrica. Antes, ele renuncia toda a sua antiga cosmovisão, e adota um novo fundamento, uma nova forma de pensamento, uma nova estrutura e sistema intelectual.
Nenhuma persuasão sobre a base de suposições antropocêntricas pode realizar isso, pois as suposições antropocêntricas não podem levar a conclusões teocêntricas, e o jeito é ele adotar uma nova série completa de princípios teocêntricos. Dessa forma, quer isso seja efeito ou não na ocasião de uma apresentação de argumentos, esse evento ocorre numa pessoa quando Deus a transforma mediante uma ação direta na alma. Isso é o que chamamos de conversão. O produto é uma pessoa que não somente exibe uma forma de piedade, mas também possui o seu poder.
“Convertei-vos pela minha repreensão; eis que abundantemente derramarei sobre vós meu espírito e vos fazer saber as minhas Palavras”  Prov 1:23
FONTE : http://www.institutogamaliel.com/portaldateologia/teocentrismo-vs-antropocentrismo/teologia

O USO ERRADO DA LÍNGUA

O Cuidado Com Aquilo Que Falamos

 
Muitos estão destruindo suas vidas por meio das palavras, do mau uso da língua. Há os que usam a língua para lisonjear, a fim de tirarem algum proveito, recorrendo a medidas desiguais (Pv. 20.17; 26;28; 28.23). 
 A língua também serve para semear intrigas, alimentar contendas. Os néscios adoram uma briga, vivem procurando situações para debates desnecessários, a fim de produzir mais uma disputas entre os irmãos (Pv. 18.6). Além disso, essas pessoas tendem a serem descontroladas, elas se exasperam por qualquer motivo, não têm controle das emoções (Pv. 29.11). O autor de Provérbios admoesta para que se mantenha distância dessas pessoas, pois elas além de fazerem o mal para si, ainda prejudicam os outros (Pv. 22.24,25). O equilíbrio emocional é uma característica fundamental a ser exercitada. O domínio próprio é uma das virtudes do fruto do Espírito que precisa ser cultivada (Gl. 5.22). Há aqueles que não conseguem controlar a língua em relação aos seus irmãos, que não perdem a oportunidade para fofocarem, e denegrirem a imagem dos outros. O sábio adverte seus ouvintes quanto àqueles que têm lábios falsos, e que espalham calunias (Pv. 10.18). nada pior que lábios mentirosos, que dão falso testemunho (Pv. 6.16-19; 12.19; 14.25). O livro de Provérbios critica aqueles que falam demais, na verdade, a quantidade de erros é proporcional ao da fala. Como se costuma dizer, quem muito fala, muito erra (Pv. 10.19), por isso ter o controle da língua é uma das marcas do verdadeiro cristão (Pv. 17.27,28; Tg. 3.7).
 O USO CORRETO DA LÍNGUA
Mas a língua pode ser usada para o bem, para dar conselhos aos mais jovens, a fim de que esses possam adquirir sabedoria (Pv. 10.31), isso porque os lábios do sábio difundem conhecimento (Pv. 15.7). Pois é ouvindo as pessoas sábias e justas que podemos crescer e adquirir maturidade. Isso se aplica também à leitura, os jovens que quiserem amadurecer devem ler bons livros, aprender com aqueles que têm experiências para repassar. A língua também serve para repreender, e quando a pessoa prudente a ouve, não se exaspera, antes extrai, das admoestações, procedimentos corretos, o insensato, por outro lado, as desconsidera (Pv. 17.10). . A língua, quando bem usada, estimula e causa efeitos, principalmente se alicerçada na Palavra de Deus (Pv. 15.23). É edificante quando alguém recebe uma palavra no momento oportuno, especialmente em meio a uma situação adversa (Pv. 16.24).  A língua tem o poder de consumir não apenas a pessoa que faz mal uso dela, mas também a todos aqueles que são por ela afetados. A imprensa de vez em quando noticia um escândalo, alguns deles sem provas cabais, que causam danos às vidas de muitas vidas. Ela é tão perigosa que pode ser comparada ao fogo do inferno, que a tudo queima (Pv. 16.27).

nossas palavras devem ser certeiras, não de engano (Mt. 5.37). Ao invés de se adiantar, e falar desnecessariamente, o melhor mesmo é esperar,  ouvir mais e falar menos. Temos dois ouvidos e uma boca, portanto, ouçamos mais e falemos menos (Tg. 1.19). A língua do cristão, diferentemente daqueles que não têm compromisso com Deus, e muito menos com o próximo, deve ser usada com propósitos úteis, para o que edifica (I Pe. 3.9,10).
CONCLUSÃO
De acordo com Tiago, da mesma boca pode proceder tanto benção quanto maldição (Tg. 3.10). Como constatamos ao longo do livro de Provérbios, existe a possibilidade de usarmos a língua tanto para o bem quanto para o mal. O crente que foi salvo por Cristo, no entanto, tem como alvo a santificação, inclusive no falar (Cl. 3.8; II Tm. 2.15-17). Por esse motivo, deve ter cuidado com o que diz, lembrando, sobretudo, que todo homem dará conta no juízo das palavras que disseram (Mt. 12.36). Como cristãos, devemos seguir o conselho de Paulo a Tito: “a ninguém infamem, nem sejam contenciosos, mas moderados, mostrando toda a mansidão, para com todos os homens” (Tt. 3.2).

Autor: Prof. Ev. José Roberto A. Barbosa
FONTE : http://www.institutogamaliel.com/portaldateologia/o-cuidado-com-aquilo-que-falamos/teologia

Diga o fraco, eu sou forte

, Deus escolheu as coisas loucas do mundo para confundir os sábios; e Deus escolheu as coisas fracas do mundo para confundir as fortes; 28 e Deus escolheu as coisas ignóbeis do mundo, e as desprezadas, e as que não são, para reduzir a nada as que são; 29 para que nenhum mortal se glorie na presença de Deus. 30 Mas vós sois dele, em Cristo Jesus, o qual para nós foi feito por Deus sabedoria, e justiça, e santificação, e redenção; 31 para que, como está escrito: Aquele que se gloria, glorie-se no Senhor. I Corintios 1.27-31
Quantos hoje se dizem fracos diante de situações que aos seus olhos parecem impossíveis de serem vencidas. Olham para si mesmo. Contemplam fraqueza. Se mudassem o modo de falar, certamente iriam experimentar mudanças não só de pensamentos, mas de atitudes 

Coisas que Acompanham o Arrependimento

O verdadeiro arrependimento que é segundo Deus, é acompanhado de uma grande aversão ao pecado. Onde há este arrependimento há um reconhecimento dos nossos pecados, tal como eles são aos olhos de Deus

A Fé Cristã

 Definição da Palavra A simples fé implica uma disposição de alma para confiar noutra pessoa. Difere de credulidade, porque aquilo em que a fé tem confiança é verdadeiro de fato, e, ainda que muitas vezes transcenda a nossa razão


Ouvir o que Deus Fala

Timóteo já foi exortado com insistência a ater-se à Palavra: “E tu, ó Timóteo, guarda o que te foi confiado…” (1 Tm 6.20). Paulo não escreve: “Ó Timóteo, guarde-me em boa memória”. “Ó Timóteo, pense naquilo que lhe falei”. Não, ele diz: “Timóteo, guarde o bem que lhe foi confiado – guarde a Palavra de Deus!” Essa palavra é verdadeira e confiável. E essa Palavra aponta para o Único Salvador (1 Tm 1.15).
A Palavra de Deus, a Boa-Nova, é eterna: “Passará o céu e a terra, porém as minhas palavras não passarão” (Mc 13.31). “Pois fostes regenerados não de semente corruptível, mas de incorruptível, mediante a palavra de Deus, a qual vive e é permanente. Pois toda carne é como a erva, e toda a sua glória, como a flor da erva; seca-se a erva, e cai a sua flor; a palavra do Senhor, porém, permanece eternamente” (1 Pe 1.23-25). Que lástima ver que, para alguns cristãos, a palavra de alguém tem mais peso do que a eterna Palavra de Deus, que tem valor para sempre e é verdadeira e viva.
Não importa nem um pouco se essa Palavra nos agrada ou não; se seu texto é belo, lírico, poético, histórico ou interessante. O que está em jogo é muito, muito mais do que isso, pois desta Palavra – da Sagrada Escritura – depende a vida ou a morte, o céu ou o inferno. Pois a fé, sem a qual ninguém é salvo, vem da Palavra (Rm 10.17)
A Bíblia, a Palavra de Deus, é o parâmetro normativo para a nossa vida inteira. Para nós cristãos a Bíblia é aquilo que o livro de bordo significa para um maquinista de trem. Se o maquinista não se atém ao plano de viagem, o caos se instala em todas as linhas e estações da ferrovia. Conforme as circunstâncias, toda a rede pode ficar paralisada. Cedo ou tarde acaba acontecendo a mesma coisa com cristãos que pensam não precisar de um guia para o caminho, que prescindem das Sagradas Escrituras. Em algum momento de suas vidas eles naufragarão na fé e o trem de suas vidas descarrilhará ou tomará o rumo errado.
Eu pergunto: Você é cristão? Você apenas se chama assim, ou quer viver como crente? Então leia, ouça e aja segundo a orientação da Bíblia – a Palavra de Deus. Sem essa Palavra todos nós corremos o risco de nos desviarmos e de errarmos o alvo, como nos avisa Hebreus 2.1. E qual é o alvo supremo da vida cristã? A glorificação de Deus em Seu Filho Jesus Cristo e por meio dEle. Assim, Pedro escreve: “…para que, em todas as coisas, seja Deus glorificado, por meio de Jesus Cristo” (1 Pe 4.11). Para alcançar concretamente esse alvo, precisamos permanecer na Palavra e não nos desviar dela, nem à direita, nem à esquerda.
“Permaneça em vós o que ouvistes desde o princípio. Se em vós permanecer o que desde o princípio ouvistes, também permanecereis vós no Filho e no Pai” (1 Jo 2.24).
Palavra de Deus (Tg 1.22). Apenas ouvir não basta, é o que nos diz Lucas 11.28: “Bem-aventurados os que ouvem a palavra de Deus e a guardam!” Guardar a Palavra é colocá-la em prática. Se você ouvir o tiro de largada e continuar parado, jamais conseguirá ganhar a corrida – mesmo que ouça muito bem a ordem de partida.
 “Por esta razão, importa que nos apeguemos, com mais firmeza, às verdades ouvidas, para que delas jamais nos desviemos” (Hb 2.1).
 “Em tudo somos atribulados, porém não angustiados; perplexos, porém não desanimados; perseguidos, porém não desamparados; abatidos, porém não destruídos; levando sempre no corpo o morrer de Jesus, para que também a sua vida se manifeste em nosso corpo” (2 Co 4.8-10). Existem muitas outras promessas: “Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei” (Mt 11.28). Com certeza você já ouviu essas promessas dezenas de vezes. Talvez até consiga recitar muitas passagens bíblicas de cor. Mas também crê nelas? Você as guarda no coração? Faça isso, pois a Palavra de Deus é válida eternamente. Seu consolo e suas promessas, sua fidelidade e seu amor são também para você, especialmente quando você não vê nenhuma saída para sua situação.
 “Vocês não podem encontrar a salvação a partir de si mesmos. Isso é impossível! 
Em Hebreus 2.2 está escrito:
“Se, pois, se tornou firme a palavra falada por meio de anjos…” O que isso quer dizer? Que palavra foi anunciada por meio de anjos?
Vejamos Atos 7. Ali Estevão faz sua defesa diante do Sinédrio. E se reporta à história de Israel: “Foi Moisés quem disse aos filhos de Israel: Deus vos suscitará dentre vossos irmãos um profeta semelhante a mim. É este Moisés quem esteve na congregação no deserto, com o anjo que lhe falava no monte Sinai e com os nossos pais; o qual recebeu palavras vivas para no-las transmitir” (At 7.37-38).
O que foi dado pelo anjo a Moisés no monte Sinai? As tábuas da Lei (comp. v. 53). Paulo diz: “…foi promulgada por meio de anjos, pela mão de um mediador” (Gl 3.19). 
Ouça a Palavra de Deus, creia na Palavra e guarde-a em seu coração. Esteja enraizado nela, e a coroa da vitória lhe está garantida!
Autor: Thomas Lieth
FONTE : http://www.institutogamaliel.com/portaldateologia/ouca-a-palavra-de-deus/teologia 


sábado, 4 de abril de 2015

Barro Nas Mãos do Oleiro - Não “fabrique bezerros”, “suba ao monte”.

Barro Nas Mãos do Oleiro
No livro de Jeremias, Capitulo 18, Deus conduz o profeta a visitar uma olaria e observar o trabalho de um oleiro. A visão do profeta, serviria de mensagem para toda nação de Israel: Deus, O Oleiro. Israel, o barro. A roda do oleiro, o tempo. A voz de Deus, foi audível, naquele lugar. O trabalho dos oleiros, na confecção de vasos de barro, nunca mudou. É o mesmo, através dos séculos. A mensagem, portanto, a ser transmitida, permanece. O que Deus, nos fala através dessa metáfora?
O Barro: Em seu estado bruto, não serve para manuseio, na roda de oleiro. Precisa, passar por todo um processo, se tornar elástico, para modelagem: Colhe-se o barro, penera, mistura com água, deixa de molho (para livrar das impurezas) e é pisado até sair todas as bolhas de ar(enfraquecem o vaso na hora de passar pelo forno). No forno, o barro, enfim, se torna mais resistente.
O Vaso: Do barro fomos criados (Gn 2:7) e ao barro tornaremos (Ec 12:7). Vivemos, portanto, para o objetivo de sermos levados “a casa do Oleiro”. Um digno destino. A olaria, simboliza, o Reino de Deus.
Algumas porções de barro, se tornam, “vasos de honra” (II Tm 2:21). Carregam tesouros (IICor 4:7). Algumas, vasos de desonra (Rm 9:21): Passaram pelo Oleiro, porém, estão a carregar coisas impuras, ilícitas, produtos de roubo, morte e destruição. Relaciono estes, aos apostatas pessoas que deixaram “o primeiro amor”, no afã de se tornarem, servos de Mamon. Vasos de desonra.
Ainda existe, um terceiro e triste destino para um vaso: ser quebrado. “…Deste modo quebrarei eu a este povo, e a esta cidade, como se quebra o vaso do oleiro, que não pode mais refazer-se…” Jr 19: 11. A quebra do vaso, pelas mãos de Jeremias, tinha o propósito de alertar as pessoas de seus graves pecados. Simbolizava julgamento. Israel, passara, de vaso de honra, para desonra e por fim seria destruída. A utilidade (ou inutilidade) do vaso, define sua longevidade. Que tipo de vaso, estamos sendo?
O ser humano, pecador, cheio de impurezas, barro, no estado bruto, chega a “Olaria” para ser trabalhado. Somos escolhidos (At 9:15), purificados (Jo 17:17), provados (Sl 11:5) e aprovados (IITm 2:15).
O Oleiro: Com destreza e paciência, molda o barro, que, na roda de oleiro, é totalmente dependente D’Ele. Se deixa moldar. Se, ao tomar forma de vaso, o barro, se despedaçar, O Oleiro, torna a juntar a massa e faz outro vaso, ainda melhor. Ele não abandona o vaso, despedaçado em suas mãos.
Deus, anseia que entremos na olaria, no Seu Reino. Só assim o barro ganha forma. Um material, pobre e fácil, tornado excelente. “Temos, porém, esse tesouro em vasos de barro para que a excelência do conhecimento seja de Deus e não de nós” II Cor 4:7. Um paradoxo: Seres humanos, frágeis, tornando-se instrumentos nas mãos de Deus.E nesse processo, Ele perdoa, a todo que se fizer servo. Ele revigora as forças do abatido, animando-o a prosseguir. Como o vaso, que quebra na roda de moldar e recebe nova vida.
Que Deus em Cristo, nos faça recordar, sempre, que eramos barro, destinados a perdição: Arrastados pela água, ressecados pelo sol, levados pelo vento. O Oleiro, nos recolheu. Entregues em suas mãos, nos tornamos vasos. Moldados para o serviço. Louvado seja O Oleiro!
Por:Wilma Rejane[
http://www.institutogamaliel.com/portaldateologia/barro-nas-maos-do-oleiro/teologia
, clamo ao Cordeiro de Deus, sei que Ele sempre irá me sustentar.
O “bezerro” de Ló
Quando Deus destruiu Sodoma e Gomorra, Ló foi socorrido por anjos que lhe disseram: “Escapa para o monte para que não pereça”. (Gn19: 27). Imediatamente Ló sacou o seu “bezerro”: “Não, para o monte não! Vou morrer! (Gn18: 23). Ló, assim como os israelitas, estava distante e não entendeu o propósito do monte.
Tempos depois, Ló viu que não era negócio habitar em Zoar (onde escolhera), e resolveu ir para onde Deus havia lhe ordenado: A cidade que ficara no monte. Ele já estava velho, deixara muitas oportunidades para trás. Suas filhas, não casaram em Zoar e agora “fabricavam seus bezerros” embebedando o pai e engravidando dele. Uma triste história. (Gn 19:30)
“bezerro” de Sara
Falta de fé sempre dá lugar a “bezerros”. Foi assim também com Sara. Cansada de esperar a promessa do filho, não hesitou: “Toma, pois, a minha serva; porventura terei filho dela”. (Gn 16:2). A “adoração” rendeu caro, Ismael, filho de Abraão com Agar, até os dias atuais traz inimizades para Israel.
Silêncio não é ausência
Os Israelitas não suportaram esperar Moisés descer do monte. O silêncio os perturbou. Acharam que Deus havia se esquecido deles, ou mesmo, que já não havia Deus.
Rejeitando o “bezerro”
Satanás construiu “bezerros de ouro” para Jesus, quando da tentação no deserto. Aliás, ele era o próprio “bezerro”.
“Se tu és o Filho de Deus, manda que estas pedras se tornem em pães”. Mt 4:9.
Jesus estava faminto, 40 dias e 40 noites sem comer. E o “bezerro fabricado”, bem ali, na sua frente.
“Está escrito: Nem só de pão viverá o homem, mas de toda a Palavra que sai da boca de Deus”. Mt4:4.
Jesus ignorou o “bezerro”. Sabia que precisava esperar um pouco mais, embora seu estômago pedisse comida. Ele recorreu a Dt: 3 e foi sustentado
No monte com Moisés
Moisés foi o único, da nação israelita, a subir o monte. Uma demonstração de intimidade com Deus, que os demais não tinham. 40 dias e quarenta noites a sós com Deus, tal qual Jesus no deserto. Quando Moisés desce do monte, demonstra tanta revolta pelo bezerro fabricado que se ira e quebra as tábuas do mandamento que recebera de Deus. Em um segundo; se distanciou, perdeu a comunhão. Ex 32: 19,20. Deus o fez subir ao mesmo monte e renovar à comunhão. Dessa vez, ao descer, o rosto de Moisés resplandece. Ex34: 29.
Se estivermos em comunhão com Deus e mesmo assim “fabricamos bezerros”, precisamos, imediatamente, restabelecermos a comunhão, subir novamente ao monte, conversar, passar tempo se quebrantando diante de Deus, para que o nosso rosto resplandeça e Ele se agrade de nós.
A voz de Deus em meio ao silêncio
O que os Israelitas não sabiam, era que, o silêncio, a demora de Moisés, significava Deus trabalhando.
Se verdadeiramente buscamos a Deus com todo o nosso coração, Ele sempre, mesmo em tempos de tribulação, nos conduzirá a lugares seguros. A tribulação, não é silêncio de Deus, mas, Deus falando conosco de uma forma diferente.
Se rejeitarmos os “bezerros” vamos poder ouvir, nos tempos difíceis: “Não temas, porque Eu Sou contigo; não te assombres, porque Eu Sou o Teu Deus; Eu te esforço, e te ajudo, e te sustento com a destra da minha justiça” Is 40:10.
Quer pregar a
Todos nós experimentamos do silêncio de Deus, quando isso ocorrer, lembre-se: Não “fabrique bezerros”, “suba ao monte”.
Wilma Rejane
http://www.institutogamaliel.com/portaldateologia/bezerros-de-ouro/teologia

As Sete Igrejas do Apocalipse

sete igrejas 1 
Quem tem ouvidos ouça o que o Espírito diz às igrejas Ap 3:22
As sete igrejas do Apocalipse referem-se a igrejas literais descritas no Apocalipse, capítulos 2 e 3. Essas igrejas cristãs estavam  localizadas na Ásia Menor durante a época do Império Romano. Embora as igrejas reais deixassem  de prosperar nos séculos de controle muçulmano,  depois dos romanos, há vestígios arqueológicos de todos os sete locais existentes na atual Turquia.
 Significado Último das Sete Igrejas
São igrejas literais do primeiro século dC. No entanto, elas também têm umsignificado espiritual para as igrejas e crentes de hoje. O objetivo principal de João ao escrever as cartas para as Sete Igrejas, era entregar um “boletim” de Cristo para as igrejas da época. Um segundo propósito dos escritos inspirados de João era descrever sete tipos de igrejas (e crentes) que surgiria uma e outra vez ao longo da história. As breves cartas às igrejas do Apocalipse, estão como lembretes comoventes para os seguidores de Cristo.
Quadro Sinótico das Cartas as Setes Igrejas do Apocalipse

Igrejaprimitiva
Cristo falando como:
reconhecimento
repreensão
objetivo para aqueles que se superar
em Éfeso
Apocalipse 2:1-7
Ele, “que segura as sete estrelas em sua mão direita, que anda no meio dos sete candelabros de ouro”
trabalho duro, perseverança, não pode tolerar homens maus “; Nicolaitas nojo como ele desgostos ****”, e discernidas falsos apóstolos; Paciência e tendo-se por amor do seu nome, e não te deixaste esmorecer.
“… Você abandonou o amor que você tinha no início.” … “Arrepender-se e fazer as obras que você fez em primeiro lugar. Se não, virei a você e tirarei o teu candelabro do seu lugar, caso não te arrependas.”
“Ao que vencer, eu lhe concederei que se comer da árvore da vida, que está no paraíso de Deus.”
em Smyrna
Apocalipse
2:8-11
“Aquele que é o Primeiro eo Último, que morreu e voltou à vida”
“Conheço as tuas aflições e sua pobreza – ainda que você seja rico – ea blasfêmia dos que dizem que eles são judeus e não são, mas são a sinagoga de Satanás.”
“Não temo o que você está prestes a sofrer. Eis que o diabo está para lançar alguns de vós na prisão, que pode ser testado, e durante dez dias tereis aflições.”
“Seja fiel até a morte, e Eu te darei a coroa da vida. Aquele que conquista não deve ser ferido pela segunda morte.”
em Pérgamo
2:12-17
ele “que tem a espada afiada de dois gumes”.
“Você permanecer fiel ao meu nome e não negaste a minha fé, ainda nos dias de Antipas, minha fiel testemunha, que foi condenado à morte entre vós, onde Satanás habita.”
Alguns dos que seguem a doutrina de Balaão: Balaque culto com a ingestão de alimentos sacrificados aos ídolos e práticas de imoralidade sexual; alguns nicolaítas.”Arrependei-vos então. Se não, eu irei com você em breve e contra eles batalharei com a espada da minha boca.”
“Ao que vencer darei do maná escondido, e eu lhe darei uma pedra branca, com um novo nome escrito na pedra que ninguém conhece, exceto aquele que o recebe.”
em Tiatira
2:18-29
“O Filho de Deus, que tem os olhos como chama de fogo, e cujos pés são como bronze polido”
“Conheço as tuas obras, o seu amor, fé e serviço e perseverança, e que suas últimas obras excedem o primeiro”.
Eles toleram a falsa profetisa Jezabel praticando a prostituição no templo e comer carne imolada aos ídolos. Ameaça: a sofrer intensamente, a menos que se arrependam, e atacar os seus filhos mortos.”Vou dar a cada um de vocês como suas obras merecem”. Para o resto que não possuem o seu ensinamento: “Eu não vos impor qualquer outra carga; apenas retende o que você tem, até que eu venha.”
“Ao que vencer e faz as minhas obras até o fim, eu lhe darei autoridade sobre as nações, e ele as regerá com vara de ferro, como potes de barro, quando são quebrados em pedaços, como eu mesmo recebi o poder do meu Pai, vou também dar-lhe a estrela da manhã “.
em Sardes
3:1-6
Ele, “que detém os sete espíritos de Deus e as sete estrelas”
“Conheço as tuas obras”. “Você ainda tem alguns nomes em Sardes, pessoas que não contaminaram as suas vestiduras e andarão de branco junto comigo, pois são dignas.”
“Você tem a reputação de estar vivo, e você está morto.  fortalece o que está prestes a morrer, porque eu não achei as tuas obras perfeitas diante de meu Deus.” Lembre-se que você recebeu e ouviu; manter isso, arrependa-se e. Se você não for acordado, virei como um ladrão “.
“O que vencer, como eles, deve ser vestida de branco, e não vou retirar seu nome do livro da vida, eu confessarei o seu nome diante de meu Pai e seus anjos.”
em Filadélfia
3:7-13
“O santo, o verdadeiro, que tem a chave de Davi, que abre e ninguém fechará, e que fecha e ninguém abre”
“Conheço as tuas obras. Eu sei que você tem um pouco de poder, e ainda assim mantive minha palavra e não negaste o meu nome. Porque guardaste a minha palavra de suportar pacientemente, eu te guardarei da hora da provação que é vai vir em todo o mundo, para tentar os que habitam sobre a terra. “
“Eu farei aos da sinagoga de Satanás que dizem que eles são judeus e não são, mas mentem – farei que venham, e curvar-se diante de seus pés, e saber que Eu vos amei.” “Retende o que você tem, de modo que ninguém pode tirar sua coroa.
A quem vencer, eu o farei coluna no templo do meu Deus, nunca ele deixá-la, e eu escreverei sobre ele o nome do meu Deus, e o nome da cidade de meu Deus, a nova Jerusalém que desce do meu Deus do céu, e meu novo nome.
em Laodicéia
Quer pregar a
3:14-22
“O Amém, a testemunha fiel e verdadeira, o princípio da criação de Deus”
(“Conheço as tuas obras”, mas aqui não é claro reconhecimento positivo).
“Porque és morno ****,nem frio nem quente, vou vomitar-te da minha boca”. “… Você não sabe, que és um coitado, e miserável, pobre, cego e nu. Por isso aconselho-te que de mim compres ouro refinado pelo fogo …”, “e roupas brancas …”, “e salve para ungir os seus olhos …”.”Aqueles a quem eu amo, eu repreendo e castigo, de modo ser zeloso e arrepende-te.”
“Eis que estou à porta e bato;. Se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, eu entrarei e cearei com ele e ele comigo quem vencer, eu lhe concederei que se assente comigo no meu trono , como eu me venci e me sentei com meu Pai no seu trono. “

(1) Éfeso (Apocalipse 2:1-7) – a igreja que havia abandonado seu primeiro amor (2:4).
O primeiro amor que caracterizou a Efésios era o zelo e ardor com que abraçaram a sua salvação como eles perceberam que amava a Cristo porque Ele os amou primeiro (1 João 4:19) e que era na verdade Seu amor por eles que os fizera “a vida juntamente com Cristo.” Então, eles foram esmagados pela alegria que veio da compreensão de seu ex-estado de mortos em delitos e pecados, e sua vida nova em Cristo, que exibiu o fruto da alegria (Efésios 2:1-5 ). Por causa do grande amor de Deus para os Efésios, eles foram “vivificados em Cristo” e que a vida nova foi exibida na paixão de gratidão. Essa paixão pelo Salvador transbordou para o outro e para aqueles na cultura em que habitavam, corruptos como erma.
Jesus elogia os Efésios por suas muitas obras boas e trabalho duro. Eles testaram os professores para ver se suas profissões eram reais; eles suportaram as dificuldades e perseveraram sem cansar. Mas eles haviam perdido o seu calor e zelo por Cristo, e quando isso aconteceu, eles começaram a “passar” os movimentos de boas obras, motivadas não pelo amor por Cristo, mas pelas próprias obras. O que antes era uma relação de amor foi  resfriado em mera religião. Sua paixão por Ele se tornou pouco mais do que a ortodoxia fria.
Rodeado pelo paganismo e falsos mestres, a igreja de Éfeso teria tido uma ampla oportunidade para corrigir a falsa doutrina e confrontar os professores heréticos.  Em vez de seguir a Cristo com a devoção que mostrou uma vez, como uma noiva que segue o seu noivo “através do deserto” (Jeremias 2:2), Efésios estava em perigo de cair longe de Cristo completamente. É por isso que Ele adverte aqueles que têm “ouvidos para ouvir” para provar a realidade de sua salvação, devolvendo a Ele e reacendendo o amor que tinha começado a esfriar. Sem dúvida, havia entre os Efésios aqueles cuja profissão era falsa e cuja audiência havia se tornado entorpecida. Ele adverte o resto para não segui-los, mas se arrepender e voltar para Ele com a paixão que tinha por Ele no inicio da vida cristã.
Enfrentamos os mesmos desafios no século XXI. Há poucas igrejas que não estão sujeitas, e em perigo de, uma certa quantidade de falsos ensinamentos. Mas Jesus nos chama para falar a verdade em amor (Efésios 4:15), e para não deixar que a frustração de falso ensino domine acima  do amor de Cristo em nós (Efésios 4:31-32). O nosso primeiro amor é o amor que Cristo nos dá a Deus e uns aos outros. Devemos ser zelosos pela verdade, mas que o zelo deve ser temperado de modo que estamos sempre “falando a verdade em amor, vamos em todas as coisas crescer dentro Dele que é o chefe, isto é, Cristo” (Efésios 4:15 ).
Quem eram os Nicolaitas? Ap 2:6
A origem exata dos nicolaítas é clara. Alguns comentaristas da Bíblia acreditam que eles eram uma seita herética que seguia os ensinamentos de Nicolas-cujo nome significa “aquele que conquista as pessoas”, que foi possivelmente um dos diáconos da igreja primitiva mencionado em Atos 6:5. É possível que Nicolas tornou-se um apóstata, negando a verdadeira fé e se tornou parte de um grupo seguindo “a doutrina de Balaão”, que ensinou Israel “pecar por comer carne imolada aos ídolos e cometer imoralidade sexual.” Clemente de Alexandria diz: “Eles entregaram-se ao prazer como cabras, levando uma vida de auto-indulgência.” A graça de ensino pervertido é substituída pela liberdade com licenciosidade.
Outros comentaristas acreditam que estes nicolaítas não foram chamados a partir de qualquer homem, mas a partir do Nicolah palavra grega, que significa “vamos comer”, como eles muitas vezes incentivados uns aos outros para comer coisas sacrificadas aos ídolos. Qualquer que seja a teoria é verdadeira, é certo que as obras dos nicolaítas eram uma abominação a Cristo. Eles, como os gnósticos e outros falsos mestres, abusaram da doutrina da graça e tentaram introduzir licenciosidade em seu lugar (2 Pedro 2:15, 19; Judas 1:4).
Jesus elogia a igreja de Éfeso por odiar as obras dos nicolaítas, como ele faz (Apocalipse 2:6). Sem dúvida, os líderes da igreja de Éfeso protegeram o seu rebanho a partir dessas heresias destruidoras e evitaram que  as suas pessoas  cometessem os mesmos atos malignos. Todo o pecado é odioso a Cristo, como deve ser aos Seus seguidores, como odeio obras dos homens maus, e não os próprios homens. Para a igreja de Pérgamo, Jesus não tinha elogios, mas censura. Ao contrário de Efésios, que realmente abraçou os ensinamentos dos nicolaítas (Apocalipse 2:15). Jesus adverte que se não se arrependerem, eles estão em perigo de o julgamento que é certo para cair sobre aqueles que ensinam falsa doutrina, atacar Sua Igreja, e destruir Seu povo. A espada do julgamento está pairando sobre suas cabeças, e sua paciência não é ilimitada (Apocalipse 2:16; 19:15).
A lição para nós é que a igreja do Senhor Jesus ao longo dos tempos tem sido assolado por aqueles de espírito nicolaíta. A única maneira de reconhecer o falso ensino é estar intimamente familiarizado com a Verdade através do estudo diligente da Palavra de Deus.
(2) Esmirna (Apocalipse 2:8-11) – a igreja que sofreria perseguição (2:10). 
Tanto Esmirna como  Filadélfia estão cercadas por aqueles que afirmam ser cristãos, mas não são. Porque Smyrna é  mais verdadeiramente justa do que algumas outras igrejsa do fim dos tempos, Satanás odeia e traz pesada perseguição religiosa sobre eles. Eles podem ser alguns daqueles citados  em Daniel 11 que mostram força diante de tanta perseguição e “realizam grandes façanhas.”
Smyrna sofre perseguição por dez dias. Quanto tempo é esse? Apocalipse 2:10 ; Daniel 1:12 , 14; Números 14:34 ; João 16:33 .
Daniel e seus companheiros comeram vegetais durante dez dias literais, então talvez esta perseguição durará dez dias também. Por outro lado, Deus às vezes usa um dia para representar um ano, talvez por isso Smyrna terá de enfrentar dez anos de perseguição. Daniel 11:32-35 indica “muitos dias”, “alguns dias” (A Bíblia enfatiza) ou “para alguns tempo “(The New American Bible). Os comentários dizem que ele poderia ser metafórico, significando “um curto espaço de tempo.” Nesse caso, devemos esperar o melhor e se preparar para o pior! Jesus diz que aqueles que são Dele vai sofrer perseguição, mas não devemos temer, pois Ele venceu o mundo . Ele vai nos ver através dele.
A Pedra Branca Ap 2:17
O significado da pedra branca é um mistério para os estudiosos da Bíblia. No entanto, várias interpretações foram oferecidas:
• Na Grécia antiga, os membros do júri lançariam uma pedra branca para significar uma absolvição, enquanto uma pedra negra proclamava o réu culpado. A fraqueza dessa interpretação é que as pedras lançadas nos tribunais não têm nomes inscritos nelas.
• Um pequeno objeto chamado de “tessera”, feito de madeira, pedra, barro ou osso, transmitia privilégios especiais para seu proprietário. Os antigos romanos usavam ​​tesselas como fichas de admissão paraeventos na arena. No entanto, tesselas não tem que ser de cor branca, e a durabilidade dos materiais utilizados, é questionável.
• Uma pedra branca era freqüentemente usada como um amuleto ou encanto. No entanto, este costume foi associado com feitiçaria, por isso seria estranho se a Bíblia usasse como um símbolo de salvação.
• Outra interpretação tem a ver com o material de construção usado durante o tempo em que João escreveu o Apocalipse. Edifícios importantes foram feitos geralmente de mármore branco, incluindo o templo de Esculápio em Pérgamo (a cidade da igrejaa que Jesus está se dirigindo em Apocalipse 2:17). Em frente ao templo, foram feitos  pilares de mármore branco, gravados com os nomes das pessoas supostamente curadas pelo deus.
• Uma das explicações mais aceitas da pedra branca tem a ver com peitoral do sumo sacerdote, que continha doze pedras. Cada uma dessas pedras tinha o nome de uma das doze tribos de Israel gravado nele (Êxodo 28:21). Como ele ministrava no templo, o sumo sacerdote trazia os nomes do povo de Deus na presença de Deus. Da mesma forma, a “pedra branca” com o nome do crente escrito por ele poderia ser uma referência a nossa posição na presença de Deus.
• Outra explicação difundida sugere que a pedra branca pode ser uma pedra translúcida precioso como um diamante. A palavra traduzida como “branco” em Apocalipse 2:17 é leukos e também pode significar “brilhante, brilhante.” Esta interpretação sustenta que na pedra está escrito o nome de Cristo, não o nome do crente. Apocalipse menciona que o nome de Cristo está escrito na testa dos santos (Apocalipse 3:12, Apocalipse 14:1, e Apocalipse 14:20).
O melhor sentido da pedra branca, provavelmente tem a ver com o antigo costume romano de concessão de pedras brancas para os vencedores de jogos atléticos. O vencedor de um concurso era premiado com uma pedra branca com seu nome inscrito nele. Isso serviu como seu “bilhete” para um banquete de premiação especial. Segundo essa visão, Jesus promete a entrada de vencedores para a comemoração de vitória eterna no céu. O “novo nome” provavelmente se refere ao trabalho do Espírito Santo de conformar os crentes à santidade de Cristo (veja Romanos 8:29, 3:10 Colossenses).
(3) Pérgamo (Apocalipse 2:12-17) – a igreja que precisava se arrepender (2:16). Onde estava o trono de Satanás?
O Altar de Pérgamo é uma estrutura maciça originalmente construído no século 2 aC, na antiga cidade grega de Pergamon. O templo foi dedicado ao deus grego Zeus. O Altar de Pérgamo,  fora do Império Otomano. A partir do local da escavação original, o líder da equipe alemã arqueológico por Carl Humann, e reconstruíu o Museu Pergamon em Berlim, no século 19, onde pode ser visto ao lado de outras estruturas monumentais como o Porta de Ishtar da Babilônia.
O altar tem um medidor de 113 (371 pés) friso escultórico representando a longogigantomaquia, ou a luta dos deuses e os gigantes. Na mitologia grega, os Gigantes eram  filhos de Ge (a mãe Terra primordial), que foi fertilizado pelo sangue de Urano e resultou de sua castração por Cronos.
Hitler e o altar de Zeus
Um arqueólogo alemão Carl Humann, começaram a escavar o altar em Sept.9, 1878. O altar voltou à Alemanha e foi reconstruído. Kaiser Wilhelm II celebrou a sua edificação em Berlim, em 1902. Em 1933, Adolph Hitler foi eleito chanceler da Alemanha. Em 1934 ele tornou-se ditador e ordenou a construção da Tribuna no Zeppelin Field, em Nuremberg para seus comícios nazistas.
O arquitecto, Albert Speer, usou o Altar de Pérgamo como o modelo para o Zeppelintribüne. O Púlpito do Führer estava no centro da tribuna, que foi construído de 1934-1937 por Adolph Hitler.
(4) Tiatira (Apocalipse 2:18-29) – a igreja que tinha uma falsa profetisa Jezebel (2:20).
Você já ouviu falar de alguém que vivia em Tiatira?. Em Atos 16:14 uma senhora chamada Lídia morava lá. Ela era uma vendedora de púrpura, um pano roxo que foi tingido de púrpura. Tiatira era o centro de uma indústria de tingimento.  Muitos dos primeiros cristãos lá estavam no negócio de tingimento.
A maior fonte de lucro em Tiatira era um corante vermelho brilhante que os antigos chamavam de roxo. Na verdade, não era púrpura, era vermelho, vermelho brilhante. Tintureiros comerciais de produtos de lã naqueles dias eram membros de associações comerciais. Isto expõe um problema para os cristãos – Também  de hoje que se juntam a alguns sindicatos.
As associações de comércio adiantados em Tiatira realizavam refeições comuns em um templo pagão e comiam comida que havia sido oferecida aos ídolos. Será que você come a comida que havia sido oferecida aos ídolos? Não, se você é um cristão verdadeiro,  porque é descrito em muitos lugares na Bíblia que não devemos fazer isso. Nessas grandes corporações comerciais, houve alegria e embriaguez e todos os tipos de coisas. Uma mulher chamada Jezabel foi encorajar os cristãos a ir em frente e se juntar a esses sindicatos,  ir em frente e assistir a estas festas. Porque o Senhor o protegeria de danos espirituais de qualquer maneira. Então, comer beber e ser feliz é o que  tem que ser feito para ganhar a vida. Jesus descreve o problema de Jezabel em Apocalipse 2:20 “No entanto, tenho contra ti. Que toleras Jezabel, que se chama profetisa Com os seus ensinos, ela induz os meus servos à imoralidade sexual ea comerem alimentos sacrificados aos ídolos. .
Aparentemente, a maioria da igreja tolerava ou permitia as  heresias de Jezabel. Que cor Jezebel vestia? Vermelho. É interessante não é? A cor de  Thyatira. O traje desta igreja apóstata.
Apocalipse 2:21,22. “E dei-lhe tempo para se arrepender (Deus é paciente.) De sua imoralidade, mas ela não está disposta. Assim que a porei numa cama de sofrimento, e eu farei aqueles que cometem adultério com ela sofrer intensamente, a menos que se arrependam de suas formas.”
O julgamento trata da líder, Jezebel, e depois para os seus seguidores. Seus seguidores ainda podem se arrepender, mas seu destino está selado. O castigo de Jezabel se encaixa com o seu crime. Sua cama era um lugar de imoralidade e ela sofre condignamente. O pecado paga de acordo com nossas ações.
Talvez Jezebel fosse um membro da igreja. Líderes talentosos ainda podem enganar. Ela se chamava uma profetisa. Uma mulher pode ser profeta? Absolutamente! A Bíblia descreve oito senhoras diferentes que eram profetisas verdadeiras de Deus. Êxodo 15:20, Juízes 4:4, II Reis 22:14, Lucas 2:36 e Atos 21:9. Mas, considerando a condenação de Jesus a Jezabel,  sabemos que ela era um falso profeta.
(5) Sardes (Apocalipse 3:1-6) – a igreja que tinha adormecido (3:2).
Sardes era uma cidade situada no sopé do Monte Tmolus. Foi a capital do antigo reino da Lídia no século 7 aC e tornou-se uma importante cidade depois que foi conquistada por Ciro, o Grande no século 6 aC. No primeiro século dC Sardes tinha passado para as mãos dos romanos.
Apesar de um terremoto destruir Sardes em 17 dC, a cidade foi rapidamente reconstruída. Sardes  acreditava ter sido a primeira cidade em que  foi convertida pela pregação do apóstolo João. Ela também pode ter sido a primeira cidade em que se rebelaram contra o cristianismo e uma dos primeiras que foi colocada em  ruínas.
Os habitantes de Sardes tinham  má reputação entre os antigos pelos seus modos voluptuosos da vida. Pode ser uma alusão a este fato a mensagem de Deus para a igreja quando ele diz: “Você tem alguns nomes, mesmo em Sardes que não contaminaram suas vestes;” (Apocalipse 3:4).
(6) Filadélfia (Apocalipse 3:7-13) – a igreja que tinha sofrido pacientemente (3:10).
A igreja em Filadélfia (3:7-13) situou-se em um importante entroncamento da estrada que corria pós imperial de Roma através de Trôade , Pérgamo e Sardes  até Tarso ao Oriente. Eles tinham uma porta aberta através da qual a compartilhavam o Evangelho.
Mas aqui também existia a sinagoga de Satanás contra os crentes. Embora nenhuma evidência arqueológica para uma sinagoga tenha sido encontrada, uma inscrição do terceiro século foi encontrada a 10 quilômetros a leste da cidade mencionando uma “sinagoga dos hebreus”. Filadélfia foi localizado em uma região propensa a terremotos chamado Catacecaumene.
Ambos Sardes e Filadélfia foram devastadas por terremotos em 17 dC. Templos asiáticos foram construídos para resistir a terremotos severos. Suas bases foram lançadas em leitos de carvão coberto com velo de lã, que causaram a estrutura para “flutuar” sobre o solo como uma jangada. Cada bloco foi unido a outro por cólicas de metal, de modo que a plataforma era uma unidade.
O templo seria a estrutura mais segura na cidade, daí a promessa de ser um pilar no templo de Deus . Pilares inscritos são encontrados em todo Egeu da Turquia. Um exemplo dramático é o templo de Zeus em Euromos com inscrições dedicatórias em dez dos onze pilares em pé. Jesus vai escrever nomes divinos, bem como o seu novo nome sobre os humanos pilares .
Porque guardaste a minha mensagem de resistência, eu vou mantê-lo seguro na hora da provação que há de vir ao mundo inteiro para testar habitantes da terra. Eu venho sem demora. Retende o que você tem, de modo que ninguém pode tirar sua coroa.Ap 3:10,11
(7) Laodicéia (Apocalipse 3:14-22) – a igreja com a fé morna (3:16). 
Rev 3:15 Conheço as tuas obras, que nem és frio nem quente: Quem dera fosses frio ou quente.
Muito é dito pelo  fato de que havia fontes de água quente na área. Talvez esta é realmente uma referência às águas termais em Laodicéia, mas independentemente disso, ainda podemos inferir uma verdade espiritual. Água fria traz refresco, e água quente pode trazer limpeza, mas muito poucos de nós em qualquer sociedade tem muito uso de água morna. Espiritualmente falando, parece que aqueles que são como “brasas” e queimam com paixão por Jesus Cristo podem  trazer mudança para que os rodeiam. Conseqüentemente, aqueles que são frios são mais aptos a reagirem quando entram em contato com o calor e a luz. Aqueles que são morna ou “meio da estrada” são menos propensos a afetar ou ser afetado por nenhum dos grupos. Parece que é mais fácil obter um indivíduo “frio” (alguém claramente fora de comunhão com Deus) para reconhecer o seu / sua necessidade de arrependimento, mas é muito difícil conseguir uma pessoa morna para assumir a responsabilidade por suas ações. Cristo nos disse que “o sal é bom”, mas se o sal perder o que é saborear, é bom para nada!
Apocalipse 3:16 Assim, porque és morno, nem frio nem quente, vomitar-te eu vou sair da minha boca
A condição espiritual morna é uma abominação para um Deus santo. Como podemos ser tão apáticos quando Cristo fez grandes coisas por nós? Como escaparemos nós, se nós “negligênciarmos tão grande salvação” que Jesus nos proporcionou? Aqueles que optarem por ser indiferente aos mandamentos de Cristo e ainda assim permanecer “no banco de igreja” fazê-lo em seu próprio risco. Vemos que, talvez, o maior perigo reside em um tipo de “medíocre” da fé. Infelizmente esta é a condição predominante nestes últimos dias. Encontramos (especialmente no Ocidente) onde quase todo mundo diz ser um “cristão”. A maioria das pessoas baseiam essa profissão não no fato de que eles realmente se arrependeram de seus pecados e nasceram de novo, mas sim por causa da falta de lógica, como “Eu sou um membro de tal e tal igreja”, ou “eu fui criado em um lar cristão “, ou” Eu fui batizado quando criança. “
É muito difícil estabelecer uma nítida distinção entre a igreja e o mundo nestes últimos dias. Paulo advertiu a Timóteo que nos últimos dias a igreja estaria infectado com aqueles que “têm uma forma de piedade, mas negando a eficácia dela … Destes afasta-te.” Muito do que passa para o cristianismo, não é nada mais do que “psicologia pop” ou pensamento positivo. O destino da morna é realmente um ser terrível, vomitado da boca de Deus. Alguns advertem contra a leitura para muito sobre a natureza antropomórfica de frases como “ponto de vomitar-te da minha boca”, mas uma coisa a considerar  como alguém pode ser expulso se eles nunca foram inclusos, em primeiro lugar. Estas são coisas para considerar em espírito de oração, de fato!
*Estudo realizado considerando várias e confiáveis fontes de pesquisa cristãs. Todos os lugares consultados constam como links no artigo que empreendeu em média cinco horas para ser concluido. Autorizada a reprodução, citando o blog Tenda na Rocha com link para artigo.
Por: Wilma Rejane.
http://www.institutogamaliel.com/portaldateologia/as-sete-igrejas-do-apocalipse/teologia