MusicasGospelBrasil

Loading...

sábado, 4 de abril de 2015

Barro Nas Mãos do Oleiro - Não “fabrique bezerros”, “suba ao monte”.

Barro Nas Mãos do Oleiro
No livro de Jeremias, Capitulo 18, Deus conduz o profeta a visitar uma olaria e observar o trabalho de um oleiro. A visão do profeta, serviria de mensagem para toda nação de Israel: Deus, O Oleiro. Israel, o barro. A roda do oleiro, o tempo. A voz de Deus, foi audível, naquele lugar. O trabalho dos oleiros, na confecção de vasos de barro, nunca mudou. É o mesmo, através dos séculos. A mensagem, portanto, a ser transmitida, permanece. O que Deus, nos fala através dessa metáfora?
O Barro: Em seu estado bruto, não serve para manuseio, na roda de oleiro. Precisa, passar por todo um processo, se tornar elástico, para modelagem: Colhe-se o barro, penera, mistura com água, deixa de molho (para livrar das impurezas) e é pisado até sair todas as bolhas de ar(enfraquecem o vaso na hora de passar pelo forno). No forno, o barro, enfim, se torna mais resistente.
O Vaso: Do barro fomos criados (Gn 2:7) e ao barro tornaremos (Ec 12:7). Vivemos, portanto, para o objetivo de sermos levados “a casa do Oleiro”. Um digno destino. A olaria, simboliza, o Reino de Deus.
Algumas porções de barro, se tornam, “vasos de honra” (II Tm 2:21). Carregam tesouros (IICor 4:7). Algumas, vasos de desonra (Rm 9:21): Passaram pelo Oleiro, porém, estão a carregar coisas impuras, ilícitas, produtos de roubo, morte e destruição. Relaciono estes, aos apostatas pessoas que deixaram “o primeiro amor”, no afã de se tornarem, servos de Mamon. Vasos de desonra.
Ainda existe, um terceiro e triste destino para um vaso: ser quebrado. “…Deste modo quebrarei eu a este povo, e a esta cidade, como se quebra o vaso do oleiro, que não pode mais refazer-se…” Jr 19: 11. A quebra do vaso, pelas mãos de Jeremias, tinha o propósito de alertar as pessoas de seus graves pecados. Simbolizava julgamento. Israel, passara, de vaso de honra, para desonra e por fim seria destruída. A utilidade (ou inutilidade) do vaso, define sua longevidade. Que tipo de vaso, estamos sendo?
O ser humano, pecador, cheio de impurezas, barro, no estado bruto, chega a “Olaria” para ser trabalhado. Somos escolhidos (At 9:15), purificados (Jo 17:17), provados (Sl 11:5) e aprovados (IITm 2:15).
O Oleiro: Com destreza e paciência, molda o barro, que, na roda de oleiro, é totalmente dependente D’Ele. Se deixa moldar. Se, ao tomar forma de vaso, o barro, se despedaçar, O Oleiro, torna a juntar a massa e faz outro vaso, ainda melhor. Ele não abandona o vaso, despedaçado em suas mãos.
Deus, anseia que entremos na olaria, no Seu Reino. Só assim o barro ganha forma. Um material, pobre e fácil, tornado excelente. “Temos, porém, esse tesouro em vasos de barro para que a excelência do conhecimento seja de Deus e não de nós” II Cor 4:7. Um paradoxo: Seres humanos, frágeis, tornando-se instrumentos nas mãos de Deus.E nesse processo, Ele perdoa, a todo que se fizer servo. Ele revigora as forças do abatido, animando-o a prosseguir. Como o vaso, que quebra na roda de moldar e recebe nova vida.
Que Deus em Cristo, nos faça recordar, sempre, que eramos barro, destinados a perdição: Arrastados pela água, ressecados pelo sol, levados pelo vento. O Oleiro, nos recolheu. Entregues em suas mãos, nos tornamos vasos. Moldados para o serviço. Louvado seja O Oleiro!
Por:Wilma Rejane[
http://www.institutogamaliel.com/portaldateologia/barro-nas-maos-do-oleiro/teologia
, clamo ao Cordeiro de Deus, sei que Ele sempre irá me sustentar.
O “bezerro” de Ló
Quando Deus destruiu Sodoma e Gomorra, Ló foi socorrido por anjos que lhe disseram: “Escapa para o monte para que não pereça”. (Gn19: 27). Imediatamente Ló sacou o seu “bezerro”: “Não, para o monte não! Vou morrer! (Gn18: 23). Ló, assim como os israelitas, estava distante e não entendeu o propósito do monte.
Tempos depois, Ló viu que não era negócio habitar em Zoar (onde escolhera), e resolveu ir para onde Deus havia lhe ordenado: A cidade que ficara no monte. Ele já estava velho, deixara muitas oportunidades para trás. Suas filhas, não casaram em Zoar e agora “fabricavam seus bezerros” embebedando o pai e engravidando dele. Uma triste história. (Gn 19:30)
“bezerro” de Sara
Falta de fé sempre dá lugar a “bezerros”. Foi assim também com Sara. Cansada de esperar a promessa do filho, não hesitou: “Toma, pois, a minha serva; porventura terei filho dela”. (Gn 16:2). A “adoração” rendeu caro, Ismael, filho de Abraão com Agar, até os dias atuais traz inimizades para Israel.
Silêncio não é ausência
Os Israelitas não suportaram esperar Moisés descer do monte. O silêncio os perturbou. Acharam que Deus havia se esquecido deles, ou mesmo, que já não havia Deus.
Rejeitando o “bezerro”
Satanás construiu “bezerros de ouro” para Jesus, quando da tentação no deserto. Aliás, ele era o próprio “bezerro”.
“Se tu és o Filho de Deus, manda que estas pedras se tornem em pães”. Mt 4:9.
Jesus estava faminto, 40 dias e 40 noites sem comer. E o “bezerro fabricado”, bem ali, na sua frente.
“Está escrito: Nem só de pão viverá o homem, mas de toda a Palavra que sai da boca de Deus”. Mt4:4.
Jesus ignorou o “bezerro”. Sabia que precisava esperar um pouco mais, embora seu estômago pedisse comida. Ele recorreu a Dt: 3 e foi sustentado
No monte com Moisés
Moisés foi o único, da nação israelita, a subir o monte. Uma demonstração de intimidade com Deus, que os demais não tinham. 40 dias e quarenta noites a sós com Deus, tal qual Jesus no deserto. Quando Moisés desce do monte, demonstra tanta revolta pelo bezerro fabricado que se ira e quebra as tábuas do mandamento que recebera de Deus. Em um segundo; se distanciou, perdeu a comunhão. Ex 32: 19,20. Deus o fez subir ao mesmo monte e renovar à comunhão. Dessa vez, ao descer, o rosto de Moisés resplandece. Ex34: 29.
Se estivermos em comunhão com Deus e mesmo assim “fabricamos bezerros”, precisamos, imediatamente, restabelecermos a comunhão, subir novamente ao monte, conversar, passar tempo se quebrantando diante de Deus, para que o nosso rosto resplandeça e Ele se agrade de nós.
A voz de Deus em meio ao silêncio
O que os Israelitas não sabiam, era que, o silêncio, a demora de Moisés, significava Deus trabalhando.
Se verdadeiramente buscamos a Deus com todo o nosso coração, Ele sempre, mesmo em tempos de tribulação, nos conduzirá a lugares seguros. A tribulação, não é silêncio de Deus, mas, Deus falando conosco de uma forma diferente.
Se rejeitarmos os “bezerros” vamos poder ouvir, nos tempos difíceis: “Não temas, porque Eu Sou contigo; não te assombres, porque Eu Sou o Teu Deus; Eu te esforço, e te ajudo, e te sustento com a destra da minha justiça” Is 40:10.
Quer pregar a
Todos nós experimentamos do silêncio de Deus, quando isso ocorrer, lembre-se: Não “fabrique bezerros”, “suba ao monte”.
Wilma Rejane
http://www.institutogamaliel.com/portaldateologia/bezerros-de-ouro/teologia

Nenhum comentário: